Cannot GET /api/stage
'; rockAnalyticsScript_V2.setAttributeNode(website); var host = document.createAttribute('data-host-url'); host.value = 'https://apidev.analytics.rockcontent.com'; rockAnalyticsScript_V2.setAttributeNode(host); document.body.appendChild(rockAnalyticsScript_V2); } });

Tudo que você precisa saber sobre intraempreendedorismo

17 minutos para ler

Você sabe o que é intraempreendedorismo e qual a sua importância para a estratégia organizacional das empresas? O termo é usualmente associado à inovação e à experimentação, permitindo que os colaboradores atuem de maneira proativa e criativa na companhia.

O conceito traz uma série de vantagens para os negócios, que acabam tendo mais chances de descobrir novas oportunidades de mercado. Para implementar o intraempreendedorismo na organização, a gestão deve trabalhar para criar ambientes favoráveis à cultura da inovação, em que as pessoas consigam compartilhar suas ideias sem medo de errar.

Acompanhe a seguir e confira o guia completo que preparamos sobre intraempreendedorismo e sua relevância para o atual mercado. Boa leitura!

O que é intraempreendedorismo?

O termo intraempreendedorismo surgiu da palavra “intrapreneur”, utilizada pela primeira vez por Gifford Pinchot III, em 1985. Basicamente, a modalidade deriva da prática do empreendedorismo, em que os funcionários passam a atuar como se fossem donos da corporação. 

O conceito de intraempreendedorismo está relacionado a ações de inovação que surgem no ambiente interno das empresas. O sucesso profissional alcançado por iniciativas que priorizam o intraempreendedorismo incentiva muitas companhias a repensarem suas estratégias, principalmente por conta da valorização dos colaboradores e de suas contribuições para os negócios.

Com o intraempreendedorismo, por exemplo, a equipe de trabalho atua com mais engajamento em prol da melhoria de operações e processos. Investir na estratégia aumenta as oportunidades, auxilia na otimização dos recursos, na manutenção dos recursos humanos e, ainda, nos lucros e ganhos da organização.

A mudança para uma cultura intraempreendedora ocorre quando os líderes aproveitam os talentos da própria companhia para encontrar possibilidades de inovar e crescer no mercado. Apesar de ter sido criado há mais de 30 anos, o conceito continua sendo adotado por diferentes negócios.

Nesse sentido, é imprescindível que os empreendimentos estejam abertos para reconhecer a inovação como uma função permanente, criando ambientes favoráveis para o compartilhamento de novas ideias. Assim, os colaboradores devem ser instruídos para que se tornem multiplicadores do intraempreendedorismo e da inovação na empresa.

Geralmente, a gestão pode optar por contratar pessoas que apresentam o perfil de um intraempreendedor para agregar valor à equipe de trabalho. Dessa maneira, será possível obter melhoras significativas no desenvolvimento de produtos, serviços, tecnologias, estratégias e posturas competitivas. 

Esse tipo de profissional tem boa capacidade de análise de cenários, criação de ideias, predisposição para a inovação e busca de novas e relevantes oportunidades para o negócio. Os intraempreendedores entendem os processos e conhecem as necessidades exigidas pelo mercado, identificando carências e problemas antes mesmo de elas surgirem.

Qual é a importância dessa estratégia?

O intraempreendedorismo é considerado um conceito fundamental para administrar uma empresa. Sempre que um colaborador age de maneira inovadora para realizar mudanças e aperfeiçoamentos, a organização tem mais chances de atingir vantagem competitividade em seu nicho.

Além disso, a estratégia é capaz de melhorar como um todo o clima organizacional, pois os talentos são motivados a sugerir inovações e se sentem mais valorizados quando suas ideias são ouvidas e executadas pela liderança. Isso acaba por criar um vínculo maior dos funcionários com a companhia, pois a gestão permite que toda a equipe tenha liberdade de expressão e sugira ações inovadoras.

Por meio do intraempreendedorismo, ainda é possível obter melhores resultados a partir de uma liderança descentralizada, que possibilita a cada pessoa envolvida mostrar seus potenciais em prol do sucesso do negócio. O resultado é um desenvolvimento sustentável e constante, que reconhece e recompensa o talento de cada colaborador.

Para que a empresa atue de acordo com a estratégia do intraempreendedorismo, é necessário que toda a estrutura esteja em equilíbrio. Ou seja, os gestores, líderes e funcionários precisam estar alinhados, de forma que atuem com a devida responsabilidade, sem que os recursos e a posição do negócio sofra riscos ou ameaças no mercado.

Assim, o intraempreendedorismo é considerado um verdadeiro diferencial na superação de crises, ao elaborar soluções para os problemas, aumentar a lucratividade e reter talentos na equipe. Diferentemente do empreendedorismo, o conceito visa incentivar os profissionais para que eles ajam como donos da organização em que atuam, com liberdade para propor sugestões diferentes do que já ocorre na rotina do negócio.

Com o aumento do bem-estar dos colaboradores, a marca acaba gerando mais oportunidades de evolução. Isso permite que todas as pessoas envolvidas assumam sua verdadeira importância dentro da organização e sejam protagonistas no ambiente de trabalho. Até porque os recursos humanos são, atualmente, um dos bens mais preciosos dos empreendimentos.

Qual é o perfil de colaboradores intraempreendedores?

Os profissionais intraempreendedores são aqueles que, para além de apresentar as qualificações exigidas pelo cargo, trabalham em prol do benefício de toda a equipe e do negócio, pensando a empresa globalmente. Eles devem propor inovações, agir como líderes e ter a capacidade de transformar as ideias em oportunidades para a marca.

Geralmente, as habilidades e características desses colaboradores envolvem persistência, trabalho em equipe, resiliência, otimismo, visão empreendedora e espírito desafiador. Assim, o funcionário consegue atuar de maneira mais responsiva, aumentando a possibilidade de entregar melhores resultados para a empresa.

Mesmo assim, não são todos os colaboradores que têm perfil para ser intraempreendedores. Nesse sentido, a companhia deve atuar para identificar os talentos e oferecer treinamentos, palestras, workshops, cursos e eventos que contribuam para a qualificação da equipe.

Até porque, profissionais com perfil intraempreendedor geralmente buscam corporações com ambientes que favorecem a autonomia e a liberdade de expressão. Caso a empresa deseje reter seus melhores talentos e manter a competitividade entre a concorrência, é fundamental planejar ações para implementar o conceito de acordo com a realidade do negócio.

Veja a seguir quais são as principais habilidades e características de colaboradores intraempreendedores.

Criatividade

Pensar fora da caixa e ter criatividade para elaborar soluções inovadoras são coisas imprescindíveis para um intraempreendedor. Esse tipo de talento geralmente se destaca pela capacidade de encontrar novas maneiras de solucionar problemas, inclusive em momentos de crise.

Visão estratégica

Ter visão estratégica e entender bem o mercado do segmento da empresa é outra característica dos intraempreendedores. Combinando a criatividade com um olhar atento, o profissional consegue atuar para atingir os objetivos da companhia de forma eficiente. Além disso, com ela, é possível trabalhar para viabilizar a redução de custos e o aumento da produtividade nos projetos.

Perfil de liderança

Outro traço que caracteriza um intraempreendedor é o perfil de liderança, uma vez que o profissional terá que assumir planejamentos e projetos, de modo a influenciar demais colaboradores com suas ideias inovadoras.

Mesmo assim, o funcionário não precisa, necessariamente, estar alocado em um cargo de gestão para liderar as iniciativas dentro da empresa, mas pode, por outro lado, utilizar seus talentos para ser um exemplo para os colegas de trabalho.

Atitude colaborativa

O intraempreendedorismo ocorre quando a equipe consegue atingir atitudes colaborativas e que consideram as ideias e opiniões dos envolvidos. Assim, os profissionais com esse tipo de perfil devem desenvolver abordagens mais inclusivas e ágeis, de maneira a reunir as pessoas para implementar seus projetos com sucesso.

Propósito

Colaboradores engajados e motivados geralmente trabalham baseados em propósitos, estando mais comprometidos com os valores e objetivos da organização. Os intraempreendedores, nesse sentido, também podem utilizar o talento empreendedor para abrir seus próprios negócios, tendo a paixão e o propósito necessários para uma jornada profissional de destaque.

Ousadia

A ousadia é outra característica de colaboradores que atuam dentro de uma cultura de inovação. Desse modo, os erros são vistos como aprendizados e os obstáculos como oportunidades para melhorar a performance. Inclusive, inovar, muitas vezes, significa correr riscos, e o intraempreendedor deve ter coragem e ousadia para assumi-los de maneira transparente para a gestão empresarial.

Comunicação eficaz

Desenvolver um relacionamento eficiente com gestores, colegas de trabalho e líderes é essencial para os profissionais que desejam se tornar intraempreendedores. Ter uma comunicação eficaz é uma capacidade extremamente valorizada nas corporações. O intraempreendedor, assim, deve ser capaz de ouvir, escrever e de se comunicar de forma não-violenta, sempre que expor suas ideias ou no momento de dar e receber feedbacks.

Quais são os desafios ligados ao intraempreendedorismo?

O intraempreendedorismo impõe alguns desafios que não devem ser ignorados pela gestão empresarial. O primeiro deles é em relação à mudança da cultura organizacional, que deve passar a valorizar mais o capital intelectual dos colaboradores. É preciso criar um ambiente de incentivo que reconheça pensamentos inovadores e que traga vantagens para o negócio. 

Como os empreendedores internos conhecem os processos e produtos, por exemplo, eles conseguem identificar rapidamente os pontos fortes e fracos, propondo soluções que aumentam a competitividade da merca frente ao mercado. Para que isso aconteça e contribua, de fato, com a companhia, é fundamental que os líderes se empenhem e estimulem os funcionários a comunicar suas ideias.

Outro desafio é em relação ao treinamento e aperfeiçoamento contínuo do capital humano. A equipe deve ter consciência de que sua dedicação é realmente importante e que o mérito do trabalho será reconhecido. Por isso, a gestão deve investir em ações que permitam o desenvolvimento de habilidades que podem agregar valor ao negócio, tornando-o fonte de inovação.

Além disso, para que o conceito demonstre resultados e seja um recurso eficaz de inovação corporativa, é preciso cultivar uma cultura de intraempreendedorismo. A inovação deve ser vista como um mecanismo permanente de criação e desenvolvimento de ideias, sempre pautado no pensamento inovador e aplicado em todos os níveis da organização.

Para que as iniciativas propostas pela equipe se encaixem no planejamento estratégico da empresa, o ideal é conceder liberdade de criação e movimento aos funcionários. Líderes mais tradicionais, geralmente, encontram desafios em conceder mais autonomia aos intraempreendedores, uma vez que prezam pelo controle de todas as ações que estão sendo desenvolvidas.

No entanto, o excesso de controle pode aumentar a burocracia, tornar os processos mais complexos e impor obstáculos à criatividade, agilidade e potencial da equipe de trabalho. Sendo assim, a gestão deve atuar como facilitadora, cultivando uma nova visão sobre criar e operacionar iniciativas para reconhecer e valorizar ainda mais os seus talentos.

Quais são as vantagens do intraempreendedorismo?

O incentivo ao intraempreendedorismo permite criar um ambiente propício à inovação, proporcionando grandes vantagens sobre a concorrência. Isso porque o ambiente colaborativo geralmente está sempre em busca de diagnosticar os problemas nos processos para sugerir melhorias. A partir do momento em que o funcionário se sente à vontade, ele se torna mais empenhado em propor suas opiniões à liderança.

Dessa forma, intraempreender é trabalhar com uma forte visão de mercado, permitindo que o negócio siga crescendo e aprimorando suas operações. Tudo isso gera resultados financeiros mais satisfatórios e um diferencial para a empresa no mercado.

O interesse pelas melhorias e pela inovação faz com que os processos avancem rapidamente e fiquem próximos do nível de excelência. Assim, a gestão corporativa fica mais preparada para concorrer com outras marcas e realizar entregas com mais qualidade para os clientes.

A seguir, veja quais são as principais vantagens que o intraempreendedorismo oferece para as organizações.

Facilitação no processo de resolução de problemas

O grande objetivo de um intraempreendedor é melhorar a empresa em que ele atua, atuando para facilitar o processo de resolução de problemas. O profissional geralmente está disposto a tentar, testar e enxergar os erros como oportunidades de mudança, tendo cautela em relação aos processos gerenciais para não prejudicar o bom andamento do negócio.

Para que a ação retorne resultados positivos para a marca, o intraempreendedor deve lidar com os limites impostos pela companhia. É importante ter uma visão ampla diante da criação de qualquer tipo de iniciativa inovadora para entender melhor as questões estratégicas e, ainda, os fatores que podem levar a empresa a atingir competitividade e sucesso no mercado.

Estímulo à competitividade interna

A cada dia, as empresas buscam por colaboradores proativos que desejam atingir melhores resultados, agindo em consonância com os objetivos e metas da companhia. O intraempreendedorismo, nesse sentido, é uma estratégia que pode estimular a competitividade interna da equipe de trabalho, oferendo recursos e um ambiente propício para que as ideias sejam, de fato, colocadas em prática.

Logo, é fundamental que os gestores não inibam os funcionários a expor suas ideias, mas, sim, motivem os talentos a colaborar com o crescimento da organização. Isso também é essencial para engajar as pessoas a desenvolver a capacidade criativa e inovadora, definindo e alinhando os objetivos de cada membro, a fim de envolver a todos nas metas coletivas da corporação.

Melhoria contínua

Por auxiliar no desenvolvimento sustentável e no reconhecimento dos colaboradores, o intraempreendedorismo é considerado uma ferramenta que ajuda a fortalecer a tomada de decisão e a melhoria contínua dos processos internos. A prática estimula a busca por soluções inovadoras que podem representar, por exemplo, a conquista de vantagens competitivas e a sobrevivência do negócio no mercado.

O papel dos líderes é imprescindível para legitimar as ações voltadas para a inovação e o empreendedorismo dos colaboradores. Assim, as equipes de trabalho se sentem muito mais motivadas a conquistar os mesmos objetivos da empresa.

O ideal é que a gestão evite rotinas burocráticas que levam à falta de engajamento e desenvolva uma visão sistêmica sobre todos os fatores que possibilitam mais chances de sucesso.

Otimização de recursos

Uma das grandes vantagens de implementar o intraempreendedorismo na cultura da empresa é que mudanças positivas nos processos se tornam parte da rotina, possibilitando a otimização de recursos e o aumento da lucratividade. Quando corretamente incentivado, os resultados financeiros são mais satisfatórios, abrindo novas oportunidades de negócio para a marca no mercado.

O aumento dos fluxos de receita acabam resguardando o futuro da organização, contribuindo para sua expansão em seu nicho de atuação. Por propiciar um ambiente mais amistoso e incentivador, os funcionários conseguem propor soluções de maneira eficiente com o objetivo de sanar os atuais problemas da gestão.

Como aplicar o intraempreendedorismo na minha empresa?

Antes de tudo, para aplicar o intraempreendedorismo na corporação, é fundamental que a liderança ofereça uma estrutura organizacional que favoreça a estratégia. Nesse sentido, a empresa deve definir objetivos em conjunto com os colaboradores, questionando-os sobre como avaliam a atuação da companhia.

A partir das respostas, a gestão pode entender e aplicar as ideias sugeridas pela equipe, contribuindo para a união e o fortalecimento da companhia e de seus membros. Assim, é importante que os funcionários contem com um canal ou espaço para expor suas ideias para todos.

A mudança de postura ocorre entre a liderança da corporação, que deve buscar inovação e diferenciais em relação à concorrência. Ao incentivar o intraempreendedorismo, as companhias podem observar quais são os colaboradores que mais se destacam e que desejam desenvolver um trabalho mais significativo para suas carreiras e ao local em que atuam profissionalmente.

Com isso, os gestores podem encontrar as pessoas da equipe que mais apresentam o perfil de intraempreendedores para alinhar os objetivos pessoais de cada um com os da organização. Dessa forma, será possível realizar um planejamento e organizar reuniões mais alinhadas às metas do negócio.

A seguir, veja mais dicas para implementar a estratégia na sua marca da melhor forma.

Crie uma cultura de inovação

O primeiro passo é criar uma cultura de inovação e definir um canal de comunicação eficiente que permita aproveitar ao máximo o potencial dos empreendedores corporativos da empresa. Desenvolver uma cultura de inovação em conjunto com os colaboradores é um caminho sustentável para tornar a estratégia uma realidade para as corporações.

Essa nova forma de gestão consiste em uma maneira de enxergar os processos internos e externos com uma visão mais ampla. Com isso, a inovação deve estar presente em todos os setores, processos, parcerias e serviços, permitindo que a liderança assuma uma postura de aprendizado e adaptação constantes. Até porque, para inovar, é imprescindível mudar a mentalidade e quebrar alguns paradigmas.

Capacite os colaboradores

Tendo criado um ambiente propício à inovação, a empresa deve se dedicar à capacitação dos funcionários para que eles desenvolvam soft skills relacionadas ao intraempreendedorismo. Com isso, é possível incentivar o desenvolvimento dos profissionais e fazer com que se sintam corresponsáveis pelo sucesso do negócio.

Assim, os colaboradores têm a oportunidade de aprender, arriscar e elaborar ideias coletivamente, treinando suas capacidades empreendedoras em um espaço receptivo às mudanças. Para isso, a gestão deve investir em treinamento para consolidar a cultura dentro da corporação, auxiliando na ampliação da visão de sua equipe.

Promova o desenvolvimento de lideranças

A construção de lideranças também tem papel fundamental para que o intraempreendedorismo aconteça. O objetivo é que cada funcionário seja capaz de agir como líder dentro da organização, sabendo ouvir e estimular o surgimento de novas ideias.

Nesse sentido, a gestão deve confiar nos profissionais e oferecer um espaço aberto para que cada colaborador mostre seus potenciais, tendo mais liberdade para tomar decisões para todos.

Em alguns casos, sobretudo em corporações mais tradicionais, a estrutura hierárquica interna pode restringir a capacidade inovativa da equipe. No entanto, é preciso mudar o comportamento e atuar de modo a reconhecer e valorizar o trabalho de cada talento.

Com isso, será possível implementar um bom plano de intraempreendedorismo na companhia e trabalhar a liderança a partir de estruturas mais flexíveis, que estimulam a participação e a colaboração de todos os envolvidos no negócio.

Defina objetivos

No intraempreendedorismo, todos se sentem estimulados a colaborar e entendem que isso é importante para que as metas da empresa sejam atingidas. Por isso, a liderança deve pensar e definir os objetivos com todos os envolvidos, de modo a guiar a inovação de maneira contínua.

Nesse momento, é fundamental avaliar a viabilidade de implementação de cada nova ideia, sempre considerando os limites da organização. Até porque, existem iniciativas que podem comprometer, por exemplo, a estabilidade financeira e estrutural do negócio. Para evitar esse tipo de situação, a gestão deve criar metas de intraempreendedorismo com responsabilidade e focadas nos processos gerenciais.

As empresas que desejam adotar o intraempreendedorismo em suas rotinas devem realizar um bom planejamento financeiro e estipular metas de crescimento para as iniciativas inovadoras. Desse modo, a estratégia estará mais alinhada com a realidade e os objetivos da organização, tendo mais chances de ganhar competitividade e destaque no seu segmento de mercado.

Gostou do conteúdo? Aproveite e assine agora mesmo a nossa newsletter para receber todas as novidades da UCEFF diretamente em seu e-mail!

Facebook Comments
Você também pode gostar

Deixe um comentário

Share This