Afinal, o curso de Agronomia é o ideal para mim?

Afinal, o curso de Agronomia é o ideal para mim?

Afinal, o curso de Agronomia é o ideal para mim?

Antes de tomar uma decisão sobre a sua graduação, é importante perguntar: será que esse curso é o ideal para mim? Muitos vão na empolgação e baseiam-se em uma imagem idealizada da faculdade, sem procurar informações para entender qual é a realidade do estudo e do trabalho naquela área desejada. Cuidado! Esse é um sério erro.

É verdade que você não precisa ficar na mesma profissão a vida toda — porque, hoje em dia, existe mais abertura para voltar para a faculdade mesmo depois dos 30, 40 ou 50 anos. Por outro lado, pense bem: enfrentar a faculdade pela segunda vez exige um novo investimento de tempo, de energia e de dinheiro. É claro que é muito melhor acertar na profissão logo de primeira. E a única maneira de fazer isso é tratando a escolha do curso com a importância que ela merece.

Este post, então, é para você, que sonha em fazer Agronomia. É hora de parar e perguntar: será que o curso de Agronomia é o ideal para mim? Nós vamos trazer vários elementos para responder a essa questão. Assim, você vai poder fazer a sua escolha de graduação com confiança.

Então, vamos descobrir se o seu futuro está nessa área?

O que faz um agrônomo?

A primeira coisa que você precisa saber é o que esse profissional, o agrônomo, realmente faz. Ele é o responsável pelo desenvolvimento e implantação de projetos em empresas do setor agropecuário.

No seu trabalho, ele busca soluções para o combate de pragas que atacam as plantações, para a irrigação e a adubação das lavouras, para a preservação e recuperação do solo e, claro, para a garantia da qualidade dos vegetais produzidos. Essa qualidade não é simplesmente para produzir bons vegetais, mas também para produzir maior quantidade, já que a população está crescendo e é preciso garantir alimentos para todos.

O agrônomo também pode trabalhar com zootecnia. Neste caso, a sua atividade envolve contribuir para o desenvolvimento e aplicação das melhores práticas na alimentação, vacinação e no tratamento em geral dos animais voltados para fins de consumo. Da mesma maneira que com as lavouras, ele também se dedica a desenvolver gerações melhores e mais resistentes de animais, assim como estimular a reprodução.

Outras preocupações do dia a dia de um agrônomo são questões como a sustentabilidade (garantindo que as práticas de hoje não coloquem em perigo as condições socioambientais do futuro), a segurança alimentar (assegurando que as pessoas tenham acesso a alimentos que não são prejudiciais à saúde) e a redução da produção de dejetos.

Em geral, o agrônomo trabalha no campo, mas essa não é a única alternativa de carreiras em Agronomia. Você também pode assumir um papel de gestão dentro do mundo dos agronegócios.

Nesse caso, vai trabalhar em um escritório, envolvido em atividades de planejamento, monitoramento de resultados e implementação de melhorias. Vai ser líder de uma equipe, coordenando o trabalho de outros profissionais. É um caminho para quem se sente à vontade em uma posição de alta responsabilidade e autonomia.

Independentemente do rumo que escolha seguir, o agrônomo precisa lidar com muitos números e cálculos, fórmulas e estatísticas. Portanto, não é simplesmente uma carreira para quem gosta de plantas ou animais ou para quem deseja viver ao ar livre e com a mão na terra. Em vez disso, é preciso ter muitos conhecimentos teóricos, que você vai adquirir durante a graduação.


Existe diferença entre Engenharia Agronômica e Agronomia?

Embora sejam usados dois nomes distintos, o curso é o mesmo! Isso também quer dizer, é claro, que “agrônomo” e “engenheiro agrônomo” são sinônimos. Até existem alguns especialistas que defendem unificar a nomenclatura, para acabar com a confusão, mas no Brasil o uso dos termos Agronomia e agrônomo já se difundiu muito.

O importante é que você não se confunda: quando vir um curso de Agronomia e outro de Engenharia Agronômica, lembre-se de que eles devem ter grades curriculares similares, pois os dois vão prepará-lo para desempenhar as mesmas atividades. Além disso, independentemente do título, os profissionais são regidos pelo mesmo órgão (o CREA — Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) e, claro, têm direito às mesmas condições de trabalho.

Isso é uma boa notícia porque existem muitas empresas que abrem vagas para engenheiros, sem especificar a área. Já que os agrônomos são, na realidade, engenheiros agrônomos, quer dizer que podem ter acesso a essas vagas. Em geral, quando não se exige uma engenharia específica, é porque a vaga é mais voltada para atividades estratégicas (possivelmente de gestão) do que técnicas.

Quais são as características necessárias para ser um agrônomo?

Será que existe uma definição do “agrônomo perfeito”? Talvez não de maneira rígida, mas certamente existem características importantes, que ajudam a alcançar mais sucesso nessa área. Se você não tem certeza de que o seu perfil pessoal é compatível com a profissão de agrônomo, confira se apresenta algumas destas características.

Atenção ao todo

Ao contrário de atividades em que você pode ficar concentrado somente em um aspecto, na Agronomia você sempre precisa estar atento ao todo. Por exemplo, o agrônomo que é responsável por uma lavoura não pode pensar apenas na irrigação; ele tem que estar atento aos nutrientes do solo, ao clima, aos insetos, às ervas daninhas, enfim, a um grande conjunto de elementos que afeta a plantação. Assim, quem consegue prestar atenção ao todo leva uma boa vantagem.

Foco na melhoria

Você está sempre procurando maneiras de melhorar as coisas, de conseguir resultados superiores, de fazer com que tudo funcione melhor? Isso é o que o agrônomo precisa fazer diariamente. Ele quer aumentar a produtividade, aumentar o tamanho dos vegetais, elevar a resistência a pragas, fazer com que sejam mais bonitos ou tenham sabor melhor.

Nunca existe um ponto em que é o suficiente, em que ele possa parar de buscar melhorias. Então, se você é do tipo que não fica satisfeito com “bom”, vai se sentir em casa no mundo da Agronomia.

Ética e consciência

Se existe uma área em que todas as decisões precisam ser tomadas com ética e consciência, é a Agronomia.

Por exemplo, sabemos que certos pesticidas realmente funcionam muito bem, mas eles envenenam o solo e a água, além de chegar ao consumidor final — as pessoas que comem os vegetais. Assim, usar esses pesticidas traz consequências gravíssimas para toda a população e o ecossistema. Por isso, os agrônomos se dedicaram a encontrar outras soluções, como o controle biológico de pragas.

Se você tem forte ética e consciência social e ecológica, vai descobrir que essas são características importantes para quem lida diretamente com a agricultura e a pecuária.

Paciência

Por mais que existam avanços tecnológicos para acelerar as coisas, a natureza tem o seu tempo. Então, o agrônomo não vê os resultados do seu trabalho do dia para a noite. Quem é apressado pode ficar um pouco frustrado, já que, nessa área, você não tem alternativa a não ser esperar. Por isso, a Agronomia é uma área para quem tem paciência e entende que, para obter os melhores frutos, não se pode apressar o ritmo natural da vida.

Como é o mercado de trabalho?

Os agrônomos não terão dificuldades de encontrar trabalho no futuro próximo. Em Santa Catarina, por exemplo, o volume de exportação da agroindústria triplicou nos últimos 15 anos. Quer ver outro número interessante? Entre o último trimestre de 2017 e o primeiro de 2018, setor agropecuário cresceu 1,4% — contra somente 0,1% da indústria e dos serviços. E aqui vai mais um: entre fevereiro de 2018 e janeiro de 2019, o Brasil vai exportar mais de 70 milhões de toneladas de soja. Com dados como esses, não dá para duvidar da força da agropecuária no nosso país.

O Brasil é um país com tradição nas atividades de agricultura e pecuária. Porém, devido a alguns fenômenos bem específicos, essas atividades ganharam ainda mais importância e tornaram-se o centro das atenções nos últimos anos. Que tal conferir os principais motivos?

A população está crescendo

Como você viu no item anterior, a população (do país e do mundo) está crescendo. Isso significa que é cada vez mais importante descobrir maneiras de produzir mais, para atender às necessidades de todos. E você não deve pensar apenas na questão da alimentação; de fato, centenas de segmentos dependem do que é produzido nas lavouras e no criadouros de animais. Vestuário e remédios, por exemplo, são indústrias que dependem da agropecuária — e, claro, do trabalho dos agrônomos.

Os espaços estão diminuindo

Com a expansão das cidades e a preservação de áreas de vegetação nativa, as áreas disponíveis para cultivar e criar animais ficam cada vez mais restritas. Portanto, é necessário encontrar maneiras de otimizar, isto é, de produzir mais com menos espaço. É necessário desenvolver novas técnicas, e o agrônomo é o profissional que vai elaborar, testar e implementar essas alternativas.

O clima está mudando

Com as mudanças climáticas causadas por fenômenos como o aquecimento global e a destruição da camada de ozônio, o comportamento de plantas e animais também muda. Isso quer dizer que as técnicas antigas de cultivo e criação já não funcionam tão bem hoje em dia. Mais uma vez, é o agrônomo que vai descobrir como readaptar as práticas às novas condições de temperatura, umidade, regime de chuvas e assim por diante.

Os hábitos da sociedade estão mudando

Há 40 ou 50 anos, ninguém se preocupava tanto com a qualidade do que era consumido. Agora, novas tendências estão surgindo; as pessoas querem comer tomates orgânicos, usar um sabonete “sem química” e comprar produtos veganos. Tudo isso afeta o setor agropecuário, a maneira como ele está organizado e os processos que ele utiliza em sua produção. Os agrônomos precisam acompanhar essas tendências e alinhar o seu trabalho com elas.

Com um cenário como esse, não é à toa que existe tanta demanda por agrônomos; e é muito provável que o mercado de trabalho continue assim no futuro.

Onde um agrônomo pode trabalhar?

Um fato pouco comentado é que a graduação em Agronomia permite que você trabalhe em, praticamente, qualquer lugar. E não estamos falando simplesmente do Brasil (onde a atividade agropecuária é praticada de norte a sul), mas, também, de outros países do mundo.

Existem profissões, como a de advogado, difíceis de praticar no exterior, porque a área apresenta mudanças muito profundas entre os países. Porém, no caso dos agrônomos, o conhecimento adquirido em uma graduação de Agronomia aqui no Brasil pode ser aplicado em qualquer lugar do mundo; e a imensa maioria dos países precisa de agrônomos, porque desenvolvem algum tipo de plantio ou criação de animais.

A conclusão é que você pode, sim, apostar nesse curso se quiser desenvolver uma carreira internacional. Com certeza, muitos jovens que sonham em morar nos EUA ou na Europa vão adorar essa notícia!

O que um agrônomo faz no setor público?

E por que os agrônomos estão encontrando vagas de emprego tanto no setor público quanto no privado?

Bem, no setor privado, é fácil de entender. Eles são contratados pelas grandes empresas do setor primário da economia, justamente para ajudá-las a melhorar a sua produção.

Enquanto isso, no setor público, a função do agrônomo é outra; afinal, em geral, o Estado não tem plantações nem criadouros próprios. Nesse caso, o agrônomo atua com planejamento: ele vai colaborar na elaboração de políticas estatais, planos e programas de governo.

Quando o governo desenvolve um programa, ele conta com especialistas de várias áreas. Sendo um voltado a solucionar problemas da alimentação, como é o caso do Fome Zero, a participação dos agrônomos é indispensável.

No setor público, o agrônomo pode trabalhar para o município, o estado ou a União. Ele pode ser funcionário público, se for aprovado em um concurso público e tiver um cargo estável dentro de um certo órgão, como a prefeitura; ou pode ser um prestador de serviços, como um consultor, sem vínculo estável.

Qual é o salário de um agrônomo?

Agora, a pergunta que você quer ver respondida: quanto ganha um agrônomo? Bom, os valores podem variar muito, dependendo de fatores como:

  • o setor em que você trabalha: privado ou público;

  • o rumo que você escolheu seguir na profissão: técnico ou gestor;

  • se trabalha no setor privado, o porte da empresa;

  • o nível de experiência, isto é, o tempo de carreira;

  • a formação adicional, como pós-graduações lato e stricto sensu.

Porém, para que você tenha uma noção geral, aqui estão os valores médios que um agrônomo ganha, com base em informações do Mapa VAGAS de Carreiras:

  • agrônomo recém-formado: R$ 2.400;

  • agrônomo com nível médio de experiência: R$ 3.200;

  • agrônomo experiente: R$ 5.100.

Vale a pena lembrar que nós não chegamos a comentar outros caminhos profissionais que um agrônomo pode seguir, como professor universitário em cursos relacionados à Agronomia ou pesquisador científico. Essas também são alternativas que você pode explorar, especialmente se gostar do meio acadêmico.

Como é o curso de Agronomia?

A graduação em Agronomia dura cinco anos e, ao terminar o curso, você recebe um título de Bacharel em Agronomia. As matérias teóricas que compõem a grade curricular incluem principalmente uma mistura de Biologia, Química, Geologia e Matemática (especialmente Estatística). Matérias práticas envolvem aprender a utilizar equipamentos típicos da agropecuária. E não é só isso: você também pode ter matérias como Português e Inglês e algumas voltadas à Administração.

Além das matérias, você terá estágios, provavelmente a partir do 8º ou 9º semestre. O estágio é obrigatório, fazendo parte da carga horária do curso; a própria faculdade reduz a quantidade de aulas a partir do 4º ano, para que os alunos consigam conciliar os estudos com o estágio.

Essa atividade é uma oportunidade valiosa de adquirir experiência profissional; vai ser útil pelo aprendizado e também para fortalecer o seu currículo quando chegar a hora de procurar o primeiro emprego. Na verdade, se você apresentar um bom desempenho, o estágio pode se tornar um convite para um emprego fixo! Porém, um aviso: não se esqueça de que estágios obrigatórios não são necessariamente remunerados, ok?

Outro ponto interessante é que o curso de Agronomia, assim como muitos outro, inclui na grade a elaboração de um TCC — Trabalho de Conclusão de Curso. Trata-se de um trabalho que procura explorar uma questão relevante dentro da área, sendo que cada aluno pode escolher qual questão lhe interessa mais. Você não está sozinho nessa; vai ter um orientador para ajudá-lo a encontrar bibliografia relevante, refletir sobre o assunto e escrever o texto.

Para os estudantes que decidem seguir uma carreira acadêmica, o TCC funciona como uma ponte para os níveis seguintes de formação — Mestrado e Doutorado.

Bom, você precisa lembrar que a carga horária do curso de Agronomia, assim como a grade curricular, pode variar. Então, antes de escolher a instituição de ensino ideal para os seus estudos, você precisa avaliar esses aspectos.

Como a graduação não tem uma grade unificada, cabe ao estudante pesquisar a proposta de várias instituições para determinar qual é mais completa ou se adapta mais às suas próprias expectativas. Se você estiver em dúvida sobre uma instituição, não hesite em falar diretamente com a secretaria para fazer perguntas. Outra dica é procurar pessoas que já estudaram lá e pedir que compartilhem as suas experiências.

Além da carga horária e da grade, outro fator que você pode levar em consideração para escolher a faculdade certa é a nota do MEC. Como o Ministério da Educação avalia todas as instituições do país com base nos mesmos critérios, a nota é padronizada. Instituições que conseguem nota quatro ou superior apresentam alta qualidade no ensino.

Outro ponto importante é o período do curso. Existem várias opções; algumas instituições oferecem a graduação em Agronomia apenas no período matutino ou noturno, enquanto outras oferecem o curso integral, isto é, com aulas de manhã e à tarde.

Fazendo o curso integral, você vai precisar de muita organização; afinal, depois de passar o dia todo nas aulas, quando chegar a casa, à noite, vai ter que estudar — fazer as leituras, trabalhos, se preparar para as provas. Por outro lado, essa modalidade tem a vantagem de que apresenta maior carga horária, o que pode significar uma grade mais recheada.

Enquanto isso, fazendo o curso em meio período (matutino ou vespertino), você ganha tempo no dia a dia para desenvolver a sua rotina sem correria. Porém, precisa tomar cuidado para não se deixar levar pelo tempo livre e acabar virando um universitário procrastinador. Resumindo, as duas alternativas têm vantagens, desde que você saiba aproveitar bem o seu tempo.

Por que fazer Agronomia?

Depois de todas essas informações, que tal retomar os principais motivos para cursar Agronomia? Vamos lá.

Salários

Essa área oferece bons salários, mesmo para profissionais que estão no começo da carreira. E, quanto mais experiência e qualificação você acumular, melhor fica a situação financeira.

Variedade de rumos de carreira

Como agrônomo, você não tem apenas uma direção em que construir a sua carreira. Você pode lidar diretamente com a terra e os animais, mas, se preferir, pode administrar, dar aulas ou conduzir experimentos. São muitos os caminhos que você tem à sua disposição para explorar.

Perspectiva de segurança

Você não quer simplesmente ter um bom emprego e um bom salário em curto prazo, mas ao longo de toda a sua carreira, não é mesmo? Como o setor agropecuário é tão forte e essencial, ele garante um mercado de trabalho aquecido, cheio de vagas. Assim, os bons profissionais sempre vão encontrar oportunidades — e quem faz graduação em Agronomia não precisa se preocupar com o desemprego.

Agora que você já sabe muitas coisas sobre o curso de Agronomia, será que conseguiu chegar a uma decisão? Esse é o curso de graduação ideal para você? Se ainda não, não fique frustrado, pois é absolutamente normal ter dúvidas, especialmente porque estamos falando de um momento muito importante da sua vida.

Aproveite que você está por aqui e baixe nosso e-book gratuito com as 5 questões que você deve levar em consideração ao escolher uma graduação. Informação nunca é de mais, e as dicas desse e-book com certeza vão ajudá-lo a tomar a sua decisão!

 

Facebook Comments

About The Author

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Newsletter

Quer ainda mais dicas?

Cadastre-se agora para receber gratuitamente por e-mail.

guia-da-graduacao-ead

guia-da-transformacao-digital

UNIDADE CENTRAL

Rua Lauro Müller, 767 Bairro Santa Maria Chapecó - SC | Contato: (49) 3319-3838 / 89812-214

CENTRO UNIVERSITÁRIO

Rua Carlos Kummer, 100 Bairro Universitário Itapiranga - SC | Contato: (49) 3678-8700 / 89896-000

UCEFF Palmital

Av. Irineu Bornhausen, 2045 Bairro Quedas do Palmital Chapecó - SC | Contato: (49) 3319-3800 / 89814-650

Share This