Após avaliar a sua formação e a sua trajetória profissional, você percebeu que está na hora de fazer uma pós-graduação? Pois saiba que tomou a decisão certa! Afinal, dar continuidade aos estudos e aprimorar a própria capacitação é o investimento mais seguro para quem quer ter uma performance melhor no trabalho, conquistar novas oportunidades no mercado e construir um plano de carreira de sucesso que permita uma realização profissional plena.

Pensando nisso, respondemos às principais dúvidas sobre o assunto para ajudá-lo a escolher o curso certo e colher os frutos de um futuro promissor que o aguarda. Acompanhe!

Por que fazer pós-graduação?

Para começar, que tal falarmos sobre os motivos que explicam a relevância de fazer uma pós-graduação para o mercado de trabalho? Abaixo, reunimos alguns dos principais:

Tornar-se um especialista

Você tem a possibilidade de sair de uma formação generalista, que é uma característica do bacharelado, e se tornar um especialista. Ou seja, seu conhecimento em uma determinada área é aprofundado e, futuramente, é aplicado à sua rotina profissional.

Conseguir ter ênfase na prática

Com uma pós-graduação, o seu saber prático é expandido graças ao desenvolvimento e aperfeiçoamento de técnicas, habilidades e competências que otimizam o exercício da sua profissão e são cada vez mais requisitadas pelas empresas que buscam otimizar o quadro de funcionários, renovar as políticas internas e adotar novas tecnologias.

Manter-se atualizado

Um quarto motivo é que você tem a chance de se atualizar. Afinal, é provável que desde a sua graduação haja diversos conceitos e teorias da sua área de formação tenham sido revistos e modificados, especialmente se ela ocorreu há quatro ou mais anos. Portanto, a pós será o momento de ficar a par dessas mudanças e entender como essas novas práticas adotadas beneficiam o exercício da sua profissão.

Fazer networking

Fora os motivos já citados para fazer uma pós-graduação, há ainda a oportunidade de estender e fortalecer o networking. Isso porque não só os seus colegas, como também os seus professores, são profissionais que trabalham em empresas de renome. Muitos deles têm larga experiência e, em alguns casos, já são grandes referências do mercado.

Ou seja, a sala de aula se torna um espaço que vai além de debate de ideias e se converte em uma rica fonte de contatos que, futuramente, pode render ofertas de trabalho, parcerias, promoções, prospecção de projetos internacionais e muito mais.

Quais são os tipos de pós-graduação?

Até aqui, você viu algumas das principais razões para cursar uma pós-graduação e qual o momento mais indicado para iniciá-la. Porém, você deve estar em dúvida sobre os de tipos de cursos existentes, não é mesmo?

Afinal de contas, há uma grande variedade e, para completar, eles são divididos em dois grupos: lato sensu (especialização e MBA) e stricto sensu (mestrado profissional, mestrado acadêmico e doutorado). Por isso, não se preocupe! Abaixo, vamos explicar qual o objetivo por trás de cada um deles para sanar suas dúvidas. Veja:

Especialização

A especialização é uma pós-graduação recomendada para quem visa crescer e se tornar um nome reconhecido no mercado de trabalho. Isso porque ela permite que você aprofunde o que aprendeu durante a graduação, renove as suas referências sobre teorias e conceitos que já foram reformulados/atualizados e amplie o seu saber sobre um ramo no qual pretende investir a sua carreira.

Não é para menos que, ao final do curso, você se torna um especialista e está apto a exercer cargos com um perfil mais técnico e bem remunerado.

MBA

O Master of Business Administration (MBA), por sua vez, é uma pós ideal para desenvolver conhecimentos e competências gerenciais para aperfeiçoar a própria performance enquanto profissional e, consequentemente, assumir posições ligadas à administração e à direção tanto de um setor da empresa quanto de toda a companhia.

Justamente por isso, as disciplinas exploram tendências e novidades do mercado de trabalho, cases do mundo corporativo, cadeia produtiva, controle de processos de internos, sistemas executivos, aspectos de liderança e tomadas de decisões estratégicas, técnicas de comunicação e muito mais.

Mestrado acadêmico

Saindo das pós-graduações lato sensu, entramos naquelas que são stricto sensu. A primeira das três é o mestrado acadêmico que, como o nome deixa claro, tem o foco na formação de indivíduos que vão atuar como docentes — especialmente no ambiente universitário —, além, é claro, de realizar projetos de pesquisa científica.

Justamente por isso, não só apresenta diferentes metodologias científicas, práticas pedagógicas, técnicas de estudo e abordagem do saber, como também promove constantes debates teóricos para estimular uma formação crítica e as habilidades necessárias para uma boa relação aluno-professor.

Mestrado profissional

Já o mestrado profissional é, em grande parte, similar ao anterior. O que explica isso é o fato de ele utilizar da metodologia científica para formar profissionais com um grande embasamento teórico. No entanto, a diferença de ambos é que ele não se restringe à vida de docente e à atuação do mestrando no campus.

Ao contrário, o curso busca capacitá-lo para que ele também possa aplicar esse conhecimento para resolver problemas do mercado e, assim, contribuir para o crescimento econômico e social das empresas.

Doutorado

“E o doutorado? Para quem ele é indicado?”, você deve estar se perguntando para lá de curioso. Por isso, saiba que ele é visto como uma evolução do mestrado acadêmico — embora não exista, de fato, essa ordem cronológica entre as modalidades.

A razão disso é que doutorado funciona como um amadurecimento das suas técnicas de pesquisa e produção científica e serve como potencialização do seu embasamento teórico e das suas referências bibliográficas.

Não é para menos que quem decide fazê-lo está determinado a ser um cientista (político, cultural, astrofísico, virologista, bioquímico etc), podendo trabalhar dentro de uma instituição de ensino ou em centros de pesquisa mantidos por grandes companhias.

Como escolher a pós-graduação certa para você?

No tópico anterior, nos aprofundamos sobre quais são as pós-graduações existentes e os respectivos diferenciais delas. Apesar disso, não é raro encontrar quem ainda tenha dúvidas sobre qual escolher ou mesmo se deve ou não fazer mais de uma opção. Por isso, reunimos algumas dicas que vão ajudá-lo a esclarecer qual caminho seguir. Confira todas elas:

Entenda o seu perfil

Antes de iniciar qualquer pós-graduação ou curso de extensão, você deve entender qual é o seu perfil de profissional. A princípio, essa sugestão pode parecer um pouco confusa, mas logo vamos explicar! Quando falamos disso, nos referimos ao fato de que é preciso encontrar um segmento de atuação com o qual você se identifique.

Afinal, toda e qualquer pós tem como objetivo aprofundá-lo em uma área mais específica da sua formação. Logo, se não há interesse nem afinidade por aquela desenvolvida durante o curso escolhido, eventualmente você vai se arrepender de tê-lo começado. Por isso, a primeira dica é achar qual o ramo certo para você.

Defina aonde quer chegar

Após analisar o seu perfil e identificar quais áreas têm potencial de compatibilidade com ele, é o momento de definir aonde você quer chegar. Isto é, onde você se vê daqui a alguns anos. Por exemplo, sua meta é ser um especialista na sua profissão ou ser promovido e ocupar posições de gerência e coordenação na companhia?

É lecionar para universitários e desenvolver projetos no ambiente acadêmico ou fazer pesquisas e ser produtor de conteúdo científico? Ao encontrar uma resposta para o que deseja para o seu futuro profissional, acredite: escolher o formato do curso será uma decisão muito mais simples e rápida!

Leve em conta o nível de dedicação que cada curso exige

Outra dica útil é levar em conta o nível de dedicação que cada curso exige para determinar se você está realmente apto a começar um deles. Os lato sensu costumam ser oferecidos pelas instituições de ensino aos finais de semana, o que facilita para quem tem os dias úteis já comprometidos.

Por outro lado, os stricto sensu contam com aulas, trabalhos e projetos realizados durante a semana e, às vezes, em mais de um turno. Logo, é preciso ter a agenda mais folgada ou mesmo 100% livre para poder se empenhar e acompanhar o ritmo da pós.

Conheça o mercado de atuação

Para encerrar o assunto, conheça o mercado na sua área de atuação e avalie qual pós é a mais útil para ajudar você a desenvolver habilidades e competências que o façam ser um profissional com um nível de instrução diferenciado para conquistar seus sonhos — algo que, naturalmente, vai render um maior retorno financeiro e prestígio social.

Para exemplificar o que estamos dizendo, imagine dois cenários. No primeiro, você fez uma licenciatura e, após formado, um mestrado. Com isso, começou a atuar em diferentes instituições como professor. No entanto, surgiu a oportunidade de trabalhar na supervisão administrativo-pedagógica de uma universidade.

O que você faz? Investe em um MBA em Docência no Ensino Superior, algo que, sem dúvidas, vai tornar o seu currículo muito mais competitivo no processo de seleção e recrutamento.

Já no segundo cenário, você se formou em marketing e, após anos trabalhando em empresas de terceiros, decidiu montar sua própria agência e viu a necessidade de aumentar a sua qualificação antes de dar esse passo tão importante.

Por esse motivo, pesquisou e descobriu que um MBA em Comunicação Empresarial e Marketing é justamente o que precisa para respaldar essa sua nova empreitada e mostrar aos futuros clientes que vai corresponder às expectativas deles.

Qual é o melhor momento para cursar uma pós-graduação?

Há pouco, você leu sobre as alternativas de pós-graduação e como escolher a mais adequada. Agora é a vez de definir qual o melhor momento para iniciar uma pós. Sim, é verdade que essa é uma decisão pessoal e que vai variar de indivíduo para indivíduo. No entanto, é preciso estar atento a alguns aspectos.

Por exemplo, a especialização, o mestrado acadêmico e o mestrado profissional são recomendados para serem feitos logo após o término da sua graduação. Por outro lado, o MBA e o doutorado não.

O motivo por trás disso é que o primeiro requer que os alunos tenham experiência profissional para poder participar ativamente dos debates, apresentações de cases e defesas de medidas corporativas para o mercado — algo que será inviável se você nunca trabalhou.

Já o segundo demanda um nível de conhecimento teórico e experiência com trabalho científico que é muito difícil de se conseguir apenas com uma graduação, visto que para isso é preciso muitas horas de estudo e pesquisa bibliográfica. Logo, o recomendado é fazer primeiro um mestrado que dura, em média, dois anos.

Como organizar o tempo para os estudos?

Decidiu dar continuidade à sua formação, mas está preocupado a respeito de como vai manter a produtividade na pós-graduação uma vez que não só trabalha, como também tem outros compromissos no decorrer da semana? Se a resposta foi um sim, saiba que não é o único nessa situação, viu?

Na verdade, esse é um cenário bastante comum e compartilhado por aqueles que já estão ativos profissionalmente e querem seguir investindo na própria qualificação, pois sabem da importância de dar esse passo para a carreira.

Por isso, não se desespere! Com alguns passos simples e fáceis de serem adotados, é possível se organizar e otimizar o tempo para não deixar os estudos de lado. Confira, abaixo, quais são elas:

Organize a rotina

O primeiro deles é organizar a sua rotina e, assim, impedir que ela fique sobrecarregada pelo trabalho, pois isso comprometerá a sua qualidade de vida e a sua capacidade de se dedicar à faculdade. Para tanto, use uma agenda física ou virtual no celular/computador para marcar os dias e os turnos em que trabalha.

A partir disso, tente encaixar o período em que você terá aulas com o turno livre ou, se preferir, durante o fim de semana. Em seguida, defina os momentos semanais em que se dedicará a rever o que foi dado em sala de aula e se aprofundar no conteúdo. Por fim, se certifique de que sobrem horários livres para você estar com a sua família, se entreter, praticar um hobby e descansar adequadamente.

Faça uma tarefa por vez

Tenha em mente que ser proativo e dinâmico não significa fazer tudo ao mesmo tempo, especialmente quando você mistura questões da sua intimidade com temas profissionais e acadêmicos.

Imagine, por exemplo, a confusão que é tentar fazer uma pesquisa para uma disciplina do curso enquanto tenta cozinhar ou mesmo quando está em uma reunião com a equipe da empresa. Complicado, não é?

É por esse motivo que, na prática, esse hábito deve ser evitado, já que o faz esquecer tarefas importantes, ter dificuldade de cumprir com prazos e o pior: o deixa abarrotado de afazeres, levando-o a ter uma grande fadiga mental.

Por isso, faça uma atividade por vez sem misturar assuntos distintos e sempre respeitando o local e o horário adequado para eles, ok?

Gerencie o tempo

Além de criar um cronograma para a sua rotina, é importante que você aprenda a gerenciar o seu tempo. Do contrário, será bastante difícil manter o planejamento que fez para si mesmo. “O problema é que muitas vezes acabo procrastinando e demorando a finalizar minhas obrigações. O que devo fazer para evitar isso?”, você deve estar se perguntando.

Pois bem, nesse caso, uma boa solução é estipular horários para a realização dos seus afazeres e cronometrá-los para garantir que estão sendo seguidos à risca.

Uma das formas mais conhecidas de fazer isso é por meio da Técnica Pomodoro, na qual são estabelecidos ciclos de 20 a 30 minutos de foco total na tarefa com intervalos de, no máximo, 5 minutos entre eles para descanso. Assim, evitam-se distrações e há um aumento considerável de produtividade.

Defina prioridades

Outro passo útil é definir quais são, de fato, as prioridades em cada esfera da sua vida (pessoal, profissional e acadêmica). A melhor maneira de fazer isso é por meio de uma autoanálise na qual você avaliará os compromissos que tem assumido, qual a relevância deles para alcançar os seus objetivos futuros e como eles impactam a sua autodisciplina.

Respeite os prazos

Fora o que já foi dito, adote um checklist semanal no qual você vai marcar aqueles afazeres que exigem mais atenção devido ao prazo de entrega deles. Por exemplo:

  • segunda-feira, 26/11: entrega de balanço de metas alcançadas pelo time de vendas na reunião do setor, às 14 horas;

  • quinta-feira, 29/11: defesa de estimativa de gastos internos e planejamento de cortes para a diretoria, às 16 horas;

  • sábado, 01/12: apresentação de seminário com cases de companhias que mais investiram em recursos humanos entre 2017-2018, na disciplina de Economia Empresarial, às 10 horas.

Dessa maneira, é possível se programar com antecedência para que todas essas atividades ocorram sem imprevistos ou problemas que coloquem em cheque a sua capacidade de cumprir com prazos.

Tenha foco

Por fim, o último passo é bem simples e direto: tenha foco. Sim, parece óbvio falar isso, mas acredite: é essencial reforçar a necessidade de estar focado e vigilante quanto à própria postura. Isso porque várias pessoas começam uma pós-graduação com todo o gás e, ao longo do tempo, deixam as matérias acumular, faltam por qualquer motivo, atrasam a entrega do trabalho de conclusão de curso e por aí vai.

Como resultado, jogam um investimento no lixo e não aproveitam nada para a própria carreira. Por isso, só comece uma pós quando estiver realmente decidido a levá-la adiante e usá-la futuramente como diferencial no seu currículo.

É melhor ensino a distância ou presencial?

Esse é um questionamento que muitos se fazem levados por velhos mitos que insistem em dizer que há uma modalidade de ensino melhor do que a outra. Contudo, isso não é verdade, ok? Tenha em mente que ambas são reconhecidas e reguladas pelo Ministério da Educação. Além disso, as duas são responsáveis pela formação de milhares de brasileiros anualmente.

Tanto é que segundo o Censo EAD 2016, realizado pela ABED, a modalidade EAD já é uma realidade em cerca de 52% de todas as instituições de ensino superior do Brasil e a expectativa é que esse percentual só aumente.

Um dos fatores que explica isso é a crescente oferta de curso lato sensu a distância. Segundo o levantamento, já existem 1.098 especializações e 115 MBAs em funcionamento que atendem a mais de 60 mil alunos em todo o país.

Portanto, não se trata de qual formato é o melhor, mas sim de qual é o mais indicado para as suas necessidades. Se você tem condições de assistir às aulas presenciais e conciliá-las com a sua rotina de trabalho, a modalidade tradicional será uma boa opção.

Agora, se há empecilhos que dificultam a sua ida à faculdade, como distância da sua casa até o campus, agenda com pouco horário livre disponível, excesso de compromissos ou emprego que requer que você faça viagens semanais, o ensino EAD será a melhor alternativa.

Isso porque você acompanha as aulas e realiza as atividades por meio de uma plataforma online do local que desejar e no horário que achar mais conveniente.

Quais as vantagens de fazer pós-graduação?

Para concluir nosso post, não podemos deixar de rever o que já falamos ao longo do texto sobre as vantagens de fazer uma pós-graduação. Afinal, nunca é demais repetir e principalmente frisá-las, já que são responsáveis por instigar cada vez mais pessoas a continuarem se qualificando e investindo em educação. Confira:

Crescer na carreira

Com uma pós, as chances de ter uma trajetória profissional ascendente só aumentam, pois você expande seu conhecimento, desenvolve novas habilidades e competências e aprende mais sobre performance em um cargo de liderança, supervisão ou direção.

Ter chances de aumentar salário

Paralelamente ao crescimento da sua carreira, há um maior retorno financeiro que está diretamente relacionado à sua capacitação, ao seu nível de conhecimento técnico e aos novos cargos aos quais tem acesso. Isso sem falar, é claro, no reconhecimento social que também aumenta consideravelmente.

Obter novos conhecimentos

Uma segunda vantagem é que, ao contrário do que muitos podem achar, a pós-graduação não serve apenas para aprofundar o seu conhecimento teórico e prático. Ela vai além, pois o tira da sua zona de conforto e o estimula a adquirir novos saberes, a questionar diferentes metodologias e, em especial, a explorar outras visões e concepções acadêmicas a respeito de um mesmo tema.

Mudar de carreira

Vale mencionar ainda que uma das vantagens de fazer pós-graduação é ter a possibilidade de mudar a área de atuação sem precisar começar uma nova graduação. Isso porque diversos cursos lato sensu abrangem conteúdos de ramos afins ao seu. Quer um exemplo?

Então imagine que você concluiu uma licenciatura para ser professor, mas ao realizar uma especialização de Psicopedagogia Clínica e Institucional — que é um segmento de interesse para licenciados e pedagogos — você se torna apto a desenvolver atividades ligadas à pedagogia e, assim, ter novos desafios profissionais. Legal, né?

Agora que você já está por dentro de como uma pós-graduação tem um impacto positivo para a sua trajetória profissional, não prolongue ainda mais o momento de dar uma nova guinada na sua carreira. Escolha com sabedoria a pós mais indicada para si, bata o martelo sobre a modalidade de ensino que mais atende às suas necessidades e leve em conta os nossos passos para organizar sua rotina e se dedicar com afinco aos estudos!

Ah, aproveite e entre em contato com a gente para conhecer todos os cursos de pós-graduação que oferecemos!

 

Facebook Comments