Fazer faculdade de educação física é um sonho para muita gente que já escolheu essa profissão para o futuro. Por outro lado, várias pessoas ainda estão avaliando se esse é mesmo um curso interessante.

De qualquer forma, buscar informações sobre a carreira que você pretende seguir é essencial para fazer uma escolha consciente e com maiores chances de acertar. Afinal de contas, conhecer um pouco da área é importante para entender se você se identifica com ela — ou não.

Pensando nisso, reunimos os principais aspectos do curso e do mercado de trabalho de educação física para deixá-lo por dentro desse assunto. Aproveite a leitura para refletir e tomar a sua decisão!

Qual é o perfil do profissional de educação física?

Antes de escolher qual faculdade você vai fazer, é interessante descobrir se você tem o perfil de uma pessoa que atua na área pretendida. Isso não significa que exista um perfil perfeito para o profissional, mas há algumas características que costumam ser requisitadas para o exercício da profissão.

Além disso, vale também ressaltar que todas as habilidades podem ser desenvolvidas e aperfeiçoadas. A vantagem de conhecer o perfil esperado o quanto antes é justamente ter tempo para trabalhar esses traços, principalmente aproveitando a vida universitária para chegar ao mercado mais preparado.

Veja, a seguir, alguns atributos que fazem o profissional de educação física se destacar.

Carisma

A probabilidade de trabalhar com diferentes tipos de pessoas é grande, até porque o principal papel do educador físico é ajudar outras pessoas a cuidar do corpo e da saúde.

Logo, independentemente do foco de atuação escolhido, o convívio social vai fazer parte do seu dia a dia. Isso significa que lidar com o ser humano é algo que você vai ter que aprender, já que esse contato nem sempre é tão simples — mas pode ser muito prazeroso.

Nesse sentido, o carisma é uma particularidade que ajuda muitos profissionais a terem sucesso. Quem consegue conviver de forma leve e agradável ganha pontos, pois tende a atrair o carinho dos alunos (no caso, seus clientes).

Comunicação

Seguindo a mesma perspectiva do item anterior, o contato constante com outras pessoas vai exigir do profissional de educação física uma boa comunicação.

Explicar a importância do seu trabalho, orientar a realização dos exercícios, acompanhar os resultados e ajudar na motivação são funções que demandam uma desenvoltura na hora de se comunicar.

A troca de informações precisa ser clara, objetiva e gentil para que a relação possa render bons frutos. Em vista disso, pessoas muito tímidas ou que têm dificuldade de se expressar devem procurar ajuda para melhorar a comunicação, o que vai contribuir bastante para o seu desempenho.

Uma dica para quem quer melhorar sua desenvoltura e empatia é fazer um trabalho comunitário. Sair da zona de conforto é uma experiência que agrega muito conhecimento para qualquer pessoa.

Criatividade

Uma das coisas que mais desestimula as pessoas a realizar exercícios físicos com regularidade é a sensação de rotina. Essa é uma reclamação constante nas academias, empresas e outros ambientes.

Ou seja, elas ficam cansadas de repetir sempre a mesma sequência e isso acaba tirando a motivação de quem ainda encara esse tipo de atividade como uma obrigação.

Assim, a criatividade é um traço bem proveitoso para um educador físico. O corpo pode ser trabalhado de formas muito diferentes, e saber proporcionar experiências variadas é um ótimo incentivo para quem está sem muito ânimo.

Paciência

Toda profissão exige paciência em algum momento. Nesse caso, essa qualidade será muito útil para lidar com alunos de personalidades diferentes. Seja em uma sala de aula, seja em uma academia ou em um hospital, cada pessoa chega com um humor e com objetivos distintos.

Portanto, o educador precisa ser paciente para acompanhar o ritmo de cada um e não deixar que ninguém desanime da busca por uma vida mais ativa e saudável. Às vezes, o aluno não tem muita paciência para esperar os resultados, o que exige tranquilidade e persistência em dobro do profissional.

Quais são as matérias básicas do curso de educação física?

Outra parte muito importante de pesquisar sobre o seu curso de interesse é descobrir quais serão as matérias abordadas ao longo dos estudos. É claro que uma ou outra disciplina pode não trazer tanta empolgação, mas o ideal é que o saldo seja positivo para que você se mantenha dedicado à sua formação pelo resto da vida.

Uma das decisões que o futuro aluno precisa tomar antes mesmo de entrar na faculdade é optar pela licenciatura ou pelo bacharelado.

No primeiro caso, o foco está mais voltado para a área de pesquisa e docência. Já o bacharel tem um campo de trabalho mais variado, com oportunidades em diversos negócios e também como autônomo.

Ambos os cursos têm duração média de 4 anos (ou 8 semestres letivos) e a grade curricular apresenta variações de acordo com o tipo de atuação esperada. Por isso, é natural que o estudante de licenciatura tenha mais disciplinas sobre didática, por exemplo.

A seguir, confira quais são as principais matérias estudadas no curso de bacharelado em educação física:

  • Biologia Humana;

  • Desenvolvimento e Aprendizagem Motora;

  • Psicologia do Esporte;

  • História e Introdução da Educação Física;

  • Anatomia Humana;

  • Esportes Coletivos;

  • Recreação e Lazer;

  • Esportes Individuais;

  • Socorros de Urgência em Educação Física;

  • Atividade Física para Grupos Especiais;

  • Atividades Aquáticas;

  • Fisiologia do Exercício;

  • Musculação;

  • Ginástica de Academia;

  • Cinesiologia;

  • Medidas e Avaliação em Educação Física;

  • Treinamento Desportivo;

  • Treinamento Personalizado e Atendimento;

  • Nutrição e Suplementação Esportiva;

  • Atividade Física na Empresa;

  • Atividade Física para Terceira Idade;

  • Estética, Corpo e Movimento.

Agora, perceba a diferença em relação aos temas encontrados na licenciatura:

  • História e Sociologia da Educação;

  • Legislação Educacional;

  • Metodologia e Prática da Educação Física;

  • Tecnologias da Informação e Comunicação Aplicadas à Educação Física;

  • Filosofia;

  • Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Para complementar a formação, muitas faculdades exigem a realização de um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e do estágio supervisionado para que o aluno possa conquistar o seu diploma.

Quais são as áreas em que o profissional pode atuar?

Engana-se quem pensa que quem faz educação física vira automaticamente personal trainer em academias. É claro que essa é uma possibilidade, mas não é a única. Há vários outros caminhos que podem ser escolhidos. A seguir, veja alguns deles.

Condicionamento físico

Essa é provavelmente a ocupação mais conhecida do educador físico. Trabalhar com condicionamento físico consiste em ajudar e orientar outras pessoas a fazer seus exercícios físicos da forma correta.

A diferença é que essa carreira não se resume à figura do personal trainer — profissional associado à pessoa que fica nas academias auxiliando os alunos a fazer musculação.

O preparador físico pode ser o professor de dança, crossfit, treinamento funcional e outras diversas modalidades. O que importa é que ele seja qualificado para exercer a profissão e fique atento aos seus alunos, principalmente para que eles evitem lesões e obtenham os resultados esperados.

Recreação

Essa é uma missão para quem quer conciliar a carreira com a oportunidade de levar diversão para as pessoas. O recreador é aquele que está sempre animado e tentando entreter todos à sua volta.

A sua presença é muito comum em clubes, hotéis, resorts, navios etc. Esse profissional é contratado para seguir a programação de atividades recreativas desses locais ou até mesmo para propor práticas livres para entreter os hóspedes e clientes.

Performance esportiva

Há também os profissionais encantados com a prática esportiva, mas que por algum motivo não seguiram a carreira de esportista. Logo, uma boa alternativa é se dedicar à orientação de atletas.

Nesse contexto, a função do educador físico é acompanhar todas as atividades, propor treinos específicos e estimular a performance do seu aluno. Além dos atletas individuais, é possível ainda preparar grupos inteiros, como times de futebol, basquete, vôlei ou qualquer outro esporte.

Reabilitação

Como o próprio nome indica, a reabilitação é a área voltada para reabilitar pessoas que passaram por algum tipo de prejuízo físico. Para você ter uma ideia, esse é o caso de pacientes que sofreram acidentes ou traumas ou que realizaram uma intervenção cirúrgica.

A ideia é que a pessoa restabeleça seu condicionamento físico dentro do que for possível, progredindo aos poucos para não atropelar a sua recuperação — o que costuma acontecer quando não há uma orientação profissional.

Gestão

Visto que o mercado de educação física está aquecido, abrir um empreendimento nessa área é mais uma oportunidade para quem tem esse tipo de formação.

O conhecimento adquirido na faculdade será aproveitado, embora muitos escolham ficar mais com a parte de gestão do que com a prática física. Então, é recomendado que o profissional faça um curso de especialização para administrar melhor o seu negócio.

Ginástica laboral

Empresas dos mais diferentes tamanhos e setores estão atentas ao fato de que a qualidade de vida dos seus funcionários favorece a produtividade. Esse é um assunto recorrente na mídia e os resultados de quem investe em bem-estar têm sido expressivos.

Diante disso, a procura pela implementação da ginástica laboral no ambiente corporativo aumentou consideravelmente. Inclusive, existem muitos educadores físicos que trabalham exclusivamente com essa especialidade.

Esse profissional é responsável por ajudar os colaboradores a alcançar objetivos como: aumentar a consciência corporal, manter o corpo ativo, prevenir as doenças ocupacionais, diminuir o estresse, melhorar a concentração e produtividade, entre outros.

Turismo ecológico

Quem gosta de viajar e de estar em contato com a natureza também encontra seu espaço no universo da educação física. O turismo ecológico, em especial, é a vertente com maior demanda por educadores físicos.

Isso se deve aos esportes radicais envolvidos, pois necessitam de supervisão. Por exemplo, atividades como canoagem, montanhismo, rafting e exploração de cavernas precisam ser feitas com segurança. O ideal é encontrar uma agência de turismo ou hotéis em regiões que ofereçam esse tipo de passeio.

Professor

Como já mencionamos neste post, a carreira acadêmica é mais uma possibilidade para quem vai se formar em educação física. No entanto, saiba que para dar aulas no Ensino Infantil, Fundamental e Médio é preciso apresentar o diploma de licenciatura.

Ou seja, um bacharel não está apto a conquistar o cargo de professor em uma escola, visto que a sua formação não foi direcionada para isso. Já para dar aula no Ensino Superior, é necessário ter uma especialização stricto sensu (mestrado ou doutorado).

Como é o dia a dia do profissional de educação física?

Essa é uma resposta que depende diretamente do ofício escolhido por cada um, no entanto, uma coisa é certa: o cotidiano de um profissional do ramo está ligado, de algum modo, à prática de atividades físicas.

Muitas vezes, o próprio educador não precisa estar sempre em movimento, mas a sua cabeça tem que estar atenta a isso. O mais frequente é que ele passe boa parte do seu tempo acompanhando outras pessoas que estão se exercitando, fazendo avaliações físicas ou auxiliando na realização do exercício.

Existem também outras alternativas que podem ser exploradas. Quem decide abrir um empreendimento nesse mercado, por exemplo, provavelmente vai se ocupar com as tarefas de gestão e supervisão do negócio.

Enquanto isso, os estudantes de licenciatura se formam e começam a fazer parte da rotina escolar de alguma instituição. Então, seu dia a dia consiste em planejar e dar aulas para que os seus alunos mantenham o corpo em atividade.

Como é o mercado de trabalho para a educação física?

O mercado está cada vez mais em alta graças à crescente valorização da vida saudável. Antigamente, muitas pessoas simplesmente não ligavam muito para isso, mas nos dias de hoje a preocupação com a saúde tem sido mais constante.

Além do mais, a busca por uma qualidade de vida melhor também é uma realidade. A população está vivendo por mais tempo e cuidar de si mesmo deixou de ser apenas uma questão de vaidade.

Hoje, há uma maior consciência de que os exercícios físicos contribuem para o bem-estar tanto do corpo quanto da mente. É comum ver academias lotadas, assim como negócios de outros segmentos que buscam oferecer serviços voltados para a qualidade de vida (hotéis, empresas, hospitais, condomínios e outros).

Tudo isso influencia na demanda por profissionais especializados, fazendo com que o índice de empregabilidade seja satisfatório.

Contudo, trata-se também de um setor exigente, que tende a priorizar os que possuem uma formação de qualidade e as habilidades comportamentais necessárias para lidar com o público. Por exemplo, não é novidade que ter pelo menos uma especialização e cursos extracurriculares favorece a conquista das melhores oportunidades.

Qual é o salário médio do profissional de educação física?

É difícil definir uma média de salário, pois isso depende de inúmeros fatores. O tipo de serviço, a região de atuação, a qualificação, o tempo de experiência, a carga horária de trabalho e diversas outras condições influenciam na remuneração de um profissional.

Não por acaso, existem educadores físicos ganhando altos salários e outros insatisfeitos — o que é uma situação que acontece em qualquer profissão.

De toda forma, algumas pesquisas ajudam a nortear as expectativas financeiras dos estudantes da área. De acordo com o Guia de Profissões e Salários da Catho, um professor licenciado em educação física ganha cerca de R$ 1.547,56.

O valor é semelhante para os cargos de preparador físico (R$ 1.720,50) e personal trainer (R$ 1.532,99). Porém, vale lembrar mais uma vez que tudo depende do plano de carreira de cada um.

Como escolher uma boa instituição para estudar educação física?

Quem já está certo de que fazer educação física é a melhor opção de carreira precisa ainda pensar em uma segunda questão: a escolha da instituição de ensino.

Contar com uma boa parceira nesse momento é essencial para ter uma preparação de qualidade e chegar ao mercado com maiores chances de sucesso. Confira os tópicos a seguir para saber o que considerar nesse processo de decisão.

Verifique a infraestrutura

Um curso como o de educação física necessita de uma infraestrutura adequada, especialmente para as atividades práticas, que costumam ser recorrentes.

E ainda que boa parte do conteúdo seja transmitida em sala de aula, os ambientes e materiais complementares ajudam a proporcionar uma experiência mais interativa para o aluno. Portanto, esse é um dos diferenciais que a instituição de ensino pode oferecer. Então, se possível, visite o campus para ter uma ideia real de como é a estrutura disponibilizada.

Avalie o corpo docente

Outro fator que é relevante em qualquer área é a qualificação do corpo docente. Ter professores bem preparados e atualizados sobre o mercado é fundamental para promover a capacitação dos estudantes.

Se essa não for uma informação de fácil acesso pelas redes da instituição e você tiver o interesse em conhecer melhor o currículo dos educadores do curso, procure o setor responsável. Talvez essa seja uma referência com um peso considerável na sua escolha.

Confira a grade curricular

Embora exista uma espécie de fio condutor para os cursos em geral, as faculdades têm uma certa liberdade para modificar um pouco as disciplinas oferecidas. Consequentemente, há variações na grade curricular que podem agradar cada pessoa em maior ou menor grau.

Isto é, uma boa ideia antes de escolher a instituição em que você quer estudar é conferir quais são as matérias previstas até a conclusão do curso. Faça essa análise e entenda se a estrutura atende às suas expectativas, verificando ainda se há atividades de extensão que ajudam a agregar valor à sua formação.

Pesquise sobre a credibilidade da instituição

Por fim, não deixe de verificar como é a imagem da instituição no mercado de trabalho e, ainda, qual é o seu reconhecimento pelo Ministério da Educação (MEC). Esses são dois critérios significativos para analisar a credibilidade de uma faculdade.

Tente encontrar a resposta para questões como: os ex-alunos recomendam o curso? Qual é a nota do MEC? O índice de absorção dos estudantes no mercado de trabalho é satisfatório? As empresas acolhem bem os recém-formados? A instituição é considerada uma referência na sua categoria?

Pensar com calma sobre todos esses pontos será muito útil para ajudá-lo a escolher uma instituição de excelência. Tenha certeza de que fazer essa análise prévia pode evitar muitas dores de cabeça no futuro, já que infelizmente nem toda faculdade prioriza a qualidade do ensino.

No caso da UCEFF, o conhecimento é visto como a grande força de transformação das pessoas. Todo o seu crescimento é baseado em tecnologia, na alta gestão e na qualidade do ensino para preparar profissionais diferenciados.

Mesmo sendo hoje a maior instituição privada do oeste catarinense, o propósito de formar cidadãos completos nunca foi perdido. São quase 20 anos de experiência no mercado, buscando sempre o melhor para todos os alunos.

Além da formação em educação física, o currículo da instituição também inclui cursos nas áreas de negócios, tecnologia, engenharia, ciências sociais, comunicação e marketing.

Será que agora você conseguiu conhecer mais da área de educação física? Este material completo foi preparado para esclarecer os principais pontos sobre o curso e o mercado para o estudante que pretende seguir essa formação.

Além disso, é interessante perceber como a atuação do profissional é valiosa para a sociedade. O educador físico promove a saúde e a qualidade de vida das pessoas, gerando um impacto muito positivo até mesmo para a autoestima delas.

Ainda que não exista uma fórmula para o sucesso na carreira, um dos segredos que fica evidente ao longo do texto é a importância de investir na formação acadêmica e no desenvolvimento pessoal.

Quem se preocupa apenas com o conhecimento técnico tem grandes chances de não conseguir se posicionar bem no mercado, pois as características comportamentais são indispensáveis para o perfil da profissão. Da mesma forma, escolher uma boa instituição de ensino e fazer cursos complementares é essencial.

Por isso, quem está interessado em fazer faculdade de educação física precisa ficar atento a todos esses aspectos se quiser expandir as suas oportunidades — além de, é claro, desenvolver uma relação de verdadeiro respeito com o próprio corpo que sirva de exemplo para os outros!

E aí, o que você achou deste post? Entre em contato com a UCEFF para saber mais sobre o curso que pode mudar a sua vida!

 

Facebook Comments