Uma das preocupações que mais incomodam as pessoas no século 21 é saber se estão sendo produtivas. Afinal, o mercado de trabalho — e até mesmo as relações sociais — exigem cada vez mais que tenhamos essa característica e sejamos capazes de dar conta de múltiplas atividades. Porém, com uma rotina corrida e cansativa, isso nem sempre é uma realidade. Não é à toa que muita gente recorre ao planejamento pessoal.

Preparamos este post justamente para falar sobre como fazer um planejamento pessoal e mostrar que essa tática pode ser bastante útil para ajudá-lo a ter uma performance melhor em vários aspectos da sua vida. Acompanhe as próximas linhas!

O que é o planejamento pessoal?

O planejamento pessoal nada mais é do que um processo de autoconhecimento sobre vários aspectos da sua rotina, especialmente aqueles que você considera mais problemáticos ou críticos.

Ao iniciá-lo, é possível enxergar com mais clareza, entre outros fatores, quais são os desafios diários que você enfrenta (e as soluções que tem adotado para resolvê-los), como tem empregado a maior parte do seu tempo (suas horas livres, por exemplo) e se o seu perfil é suficientemente competitivo e produtivo para o mercado de trabalho atual.

Para que serve o planejamento pessoal?

Ele serve para ajudar você a traçar os seus objetivos de vida e pensar em estratégias que o ajudem a dar os próximos passos para alcançá-los. Contudo, isso só é possível porque o planejamento pessoal requer uma análise profunda da sua vida pessoal, profissional e acadêmica.

Com um bom planejamento, você compreende se a sua agenda anda corrida demais para aproveitar momentos de lazer e descanso, se a sua formação é aquela que você gostaria de ter e, principalmente, qual rumo deseja dar à sua carreira.

Qual é a importância de se planejar?

Fazer um planejamento pessoal é importante porque permite alcançar um equilíbrio maior entre as três esferas da vida: pessoal, profissional e acadêmica.

Afinal de contas, com ele, você consegue organizar melhor o seu dia, cumprir prazos, aumentar seu nível de produtividade, otimizar o tempo disponível, parar de procrastinar, buscar alternativas para continuar estudando e se aperfeiçoando etc.

Como fazer um bom planejamento pessoal?

Nos tópicos anteriores, você entendeu o que é um planejamento pessoal, para que ele serve e qual é a real importância de colocá-lo em prática. Agora, chegou o momento de aprender a fazê-lo. Para isso, reunimos algumas dicas que vão auxiliá-lo. Veja quais são elas!

Defina quais são as suas metas

Comece definindo quais metas você quer alcançar em um futuro próximo, pois elas vão nortear os seus passos daqui para a frente. Elas podem ser as mais variadas, como obter uma promoção no trabalho, ser contratado por uma empresa internacional, mudar a sua área de atuação, fazer uma segunda graduação, realizar mais viagens a lazer nos feriados, ter períodos mais prolongados de férias e por aí vai.

Organize-se

Agora que você já sabe quais são seus objetivos, é hora de organizá-los em categorias. Quais deles são pessoais? E profissionais? Quais requerem um investimento financeiro elevado? Quais são mais acadêmicos? Uma maneira fácil de começar é criar o seu próprio sistema de organização. Assim, você adapta suas próprias regras à sua rotina, a fim de otimizá-la o máximo possível.

Assim que tiver definido o caráter de cada uma das metas, é hora de registrá-las por escrito ou no computador. Conte com a ajuda de um planner, caderno ou até mesmo uma planilha para isso. O importante é conseguir visualizar todas as suas metas de forma clara e objetiva.

Defina e monitore indicadores

A criação de indicadores é uma parte importante do processo porque ajuda a fornecer uma visão mais realista dos seus esforços para o cumprimento da meta, evitando distrações e proporcionando um panorama exato de onde você está, além de quanto falta para alcançar seu objetivo.

Para isso, você precisa ter certeza de que os indicadores criados são alcançáveis e específicos. Um exemplo é mensurar o tempo gasto para executar determinada atividade necessária ao alcance de sua meta, verificando se aquele prazo está dentro do limite que você mesmo estipulou.

Faça uma análise do que você precisa mudar

Outra dica é fazer uma análise do seu perfil e identificar pontos que merecem atenção e devem ser corrigidos para que a sua performance seja aperfeiçoada. Por exemplo: você sente que não tem conhecimento técnico o suficiente para assumir projetos mais complexos na empresa em que atua, que protela demais a realização de tarefas simples e acaba perdendo prazos que os seus chefes impõem ou que não domina o uso de softwares que fazem parte do seu ambiente de trabalho.

Monte um plano de ação

Após estabelecer suas metas e fazer uma análise dos aspectos do seu perfil que devem ser melhorados, é hora de montar um plano de ação para alcançar os seus objetivos. Usando o exemplo de ser promovido, você deve listar as estratégias que serão adotadas para se tornar apto a ser reconhecido e valorizado pelos seus gestores, como:

  • fazer uma pós-graduação (como uma especialização ou um MBA);
  • investir em treinamentos e cursos de capacitação profissional;
  • atingir os resultados mensais previstos pelo departamento;
  • ter um bom relacionamento interpessoal com os colegas do setor;
  • ser um profissional assíduo e pontual.

Trabalhe seus pontos de melhoria

Com o planejamento em mãos, é hora de partir para a prática. Se o objetivo é adquirir mais conhecimento técnico, por exemplo, aproveite para quebrar essa missão em tarefas menores e mensuráveis 0151 por exemplo, estudar durante 50 minutos por dia.

Esse simples truque permite que você trabalhe seus pontos de melhoria aos poucos, porém com mais agilidade. Dessa forma, a meta final não parecerá um fardo difícil de alcançar e você poderá ver, na prática, seus pequenos esforços resultarem em um feito muito relevante ao final.

Liste ferramentas que possam ajudar você

Por último, faça uma checklist de ferramentas que podem ser úteis na sua jornada de aumento de produtividade. Vale usar aplicativos, plataformas virtuais e programas que ordenem as suas tarefas diárias, organizem os seus compromissos, monitorem o tempo que você gasta em cada atividade e reduzam distrações (principalmente online).

Tenha foco

Esse talvez seja um dos pontos mais difíceis de colocar em prática. Afinal, você pode se sentir cansado ou encontrar diversas distrações que impeçam o alcance de seu objetivo, principalmente se as metas elaboradas forem muito ambiciosas. Mas você sabe o que as pessoas organizadas fazem de diferente? Elas otimizam o tempo e suas habilidades para que consigam manter o foco e reafirmar seu valor constantemente.

Se você é uma pessoa que não resiste à procrastinação, será preciso trabalhar melhor o seu senso de comprometimento para que consiga se manter na linha e identificar todos os seus autossabotadores (para eliminá-los depois). Se você tem dificuldade de realizar tarefas sozinho, por exemplo, pense em estratégias para se responsabilizar mais por seus feitos individuais.

O importante aqui é identificar os bloqueios e trabalhar com inteligência para contorná-los, um a um. Lembre-se: o seu sucesso só pode ser alcançado com uma boa dose de comprometimento.

Motive-se

Nunca se esqueça de que cada conquista — ainda que pequena — deve ser comemorada. Ao dividir as suas grandes metas em tarefas menores, tente monitorar a realização de cada uma e procure se recompensar, ainda que de forma simbólica, quando conseguir executá-las com a regularidade que planejou. Recorrer a essas pequenas motivações é uma estratégia importante para que você não perca o ânimo e consiga trabalhar com mais afinco.

Como medir a minha produtividade?

“Eu já sei como montar um bom planejamento pessoal. No entanto, como posso medir minha produtividade e ter a certeza de que ela segue gradual e de que não há mais falhas do que acertos?”. Bem, a resposta é simples: por meio de indicadores de performance, como:

  • número de ações planejadas para alcançar as suas metas que foram colocadas em prática no período previsto;
  • total de atividades e tarefas do trabalho e/ou da faculdade que foram entregues dentro do prazo;
  • média de projetos e funções mais relevantes e estratégicas assumidas na empresa que possam ajudá-lo a obter uma promoção;
  • quantidade de horas por dia que estão sendo dedicadas ao trabalho, aos compromissos sociais, aos estudos, à vida social e ao lazer.

Para tanto, monte um quadro de controle que inclua os indicadores escolhidos e meça os seus progressos ao longo de cada semana e, posteriormente, no decorrer dos meses. Assim, será possível identificar o que está acontecendo conforme o previsto e quais pontos precisam ser mais bem formulados.

Como você leu ao longo do artigo, saber como fazer um planejamento pessoal é uma maneira eficiente de organizar a sua rotina, otimizar o uso do seu tempo e se tornar mais produtivo tanto no trabalho quanto nos estudos. Por isso, vale a pena adotar essa estratégia e medir a sua evolução por meio de indicadores, de forma a garantir que ela seja contínua.

Se você gostou do tema que discutimos neste post, o que acha da ideia de assinar a nossa newsletter agora mesmo para começar a receber bons conteúdos sobre como continuar progredindo na sua vida acadêmica e profissional?

Facebook Comments