Se você está em busca de um diferencial competitivo para se posicionar no mercado de trabalho, o mapeamento de competências pode ser decisivo no seu progresso de carreira. Essa ferramenta é valiosa para você compreender o que as empresas esperam do seu trabalho e, ao mesmo tempo, o que você precisa desenvolver para ter sucesso em determinado cargo ou função.

Podemos adiantar que qualificação técnica já não é tudo. Há outros componentes fundamentais que devem ser agregados ao seu conhecimento teórico para que você seja valorizado e disputado pelas empresas.

Neste artigo, trouxemos todas as informações sobre mapeamento de competências para, assim, você melhorar sua a performance, a sua rotina de trabalho e, finalmente, crescer no plano de carreira. Vamos então ao que interessa? Boa leitura!

Afinal, o que é um mapeamento de competências?

É uma ferramenta de gestão de pessoas utilizada pelo Recursos Humanos (RH) de uma empresa. Utiliza uma métrica chamada CHA, que são as iniciais das palavras Competências, Habilidades e Atitudes.

Por meio dessa métrica é possível mapear quais competências técnicas e comportamentais um profissional precisa ter para desempenhar suas tarefas de forma eficiente e com resultados.

Mas você sabe o real conceito das palavras competência, habilidade e atitude? Muitas pessoas acreditam que as duas primeiras, por exemplo, são a mesma coisa. Mas não são. Por isso, vamos esclarecer o significado de cada uma das três para que você entenda bem a importância delas e saiba desenvolvê-las:

  • Competência: é o seu conhecimento técnico, tudo o que você aprendeu na faculdade, em cursos, congressos, palestras, treinamentos, livros, entre outras fontes de conhecimento;

  • Habilidade: sua capacidade de colocar em prática o conhecimento. Isso pode ser desenvolvido por meio da prática ou pode ser um atributo inato a você. Sabe quando você “leva jeito” para fazer algo, sem precisar fazer muito esforço?

  • Atitude: tem relação com seu comportamento, sua inteligência emocional. É a sua capacidade de lidar com desafios, pessoas e situações, seja de modo positivo ou negativo.

Assim, para que um profissional seja considerado qualificado, ele deve saber integrar essas três características ao desempenhar uma função. Ou seja, precisa ter conhecimento teórico, habilidade para aplicá-lo e comportamento positivo, tudo ao mesmo tempo.

Como um mapeamento de competências ajuda sua carreira?

De muitas maneiras. Para começar, ele pode ser seu aliado na hora de conquistar uma promoção na empresa. Como mencionamos, essa ferramenta permite que os gestores saibam reconhecer um bom funcionário.

Ao saber quais CHAs são ideais no seu campo de atuação, suas chances de ser valorizado aumentarão consideravelmente, uma vez que você poderá potencializar seus pontos fortes e trabalhar os pontos fracos.

Além disso, entendendo quais competências são importantes para a execução do seu trabalho, você conseguirá direcionar melhor seus esforços na busca de mais profissionalização e aprimoramento. Você poderá fazer escolhas mais acertadas na hora de escolher um curso, otimizando tempo e investimento. Vamos a um exemplo?

Se você percebe que suas apresentações de relatórios não são muito satisfatórias, isso pode impedi-lo de conduzir reuniões mais importantes e, assim, ser notado pelo alto escalão da empresa (lembra do ditado “quem não é visto, não é lembrado”?). Nesse caso, pode ser uma boa investir em um curso de oratória.

Há também a possibilidade de identificar lacunas não desenvolvidas pela equipe. Se você lê sobre um novo software que ajuda a otimizar os processos de trabalho, você não só pode recomendá-lo para a empresa, como também pode se especializar nele. Uma boa maneira de se diferenciar.

Como fazer um mapeamento de competências na prática?

Em geral, as empresas fazem o mapeamento por meio da observação de funcionários trabalhando e de questionários. Você também pode utilizar o mesmo método, tanto observando e questionando seus colegas, como a si mesmo. Você pode fazer isso em 3 etapas:

1. Mapeie as competências necessárias

Observe

A observação é importante especialmente para aferir o que diz respeito à atitude. Isso porque, enquanto conhecimento técnico e habilidade são, de certa forma, passíveis de avaliação de forma mais objetiva, como em um currículo, o comportamento só é factível na ação, no dia a dia.

Por isso, é comum que as organizações tenham listas predefinidas das atitudes ideais, já que existem algumas boas práticas de comportamento que são comuns em qualquer cargo e profissão. Seguem abaixo alguns exemplos:

  • capacidade de trabalho em equipe;

  • comunicação efetiva;

  • liderança;

  • automotivação;

  • pontualidade;

  • responsabilidade;

  • cumprimento de regras;

  • moral e ética.

questão

Os questionários podem ser qualitativos ou quantitativos, isto é, você pode buscar opiniões de colegas sobre as CHAs que eles consideram importantes ou, ainda, definir por você mesmo quais são as mais relevantes e fazer, assim, uma votação (lembrando que não é preciso dizer que se trata de uma pesquisa. Apenas tenha em mente as perguntas e converse informalmente).

Exemplos de questões que podem ser consideradas para um questionário qualitativo, abrangendo a tríade Competências, Habilidades e Atitudes:

  • O que caracteriza um excelente profissional como (nome da função)?

  • Qual conhecimento seria um diferencial?

  • Quais habilidades são apreciadas?

  • Qual comportamento é bem-vindo?

Para as questões quantitativas, você pode elaborar respostas específicas, conforme o cargo, para cada uma das perguntas acima. Por exemplo:

Qual conhecimento seria um diferencial?

(  ) domínio do Excel;

(  ) inglês fluente;

(  ) noções contábeis.

Quais habilidades são apreciadas?

(  ) facilidade com números;

(  ) ser didático para explicar processos;

(  ) organização.

Qual comportamento é bem-vindo?

(  ) saber trabalhar em equipe;

(  ) calma;

(  ) agilidade.

É ideal que os questionários sejam feitos tanto com pessoas que trabalham na mesma função que você quanto com pessoas de outra função, mas que lidam diretamente com o seu trabalho. 

2. Descreva as competências necessárias

Com as informações coletadas, verifique a porcentagem de todas as CHAs abordadas e faça descrições das competências mais citadas como necessárias. Mas seja específico! Não faça de forma genérica, como “ter conhecimento técnico”. Detalhe o máximo que puder, por exemplo: “saber desenvolver com eficiência relatórios financeiros”. Faça em toda a tríade: relate minuciosamente os conhecimentos, habilidades e atitudes fundamentais.

3. Relacione as características desejadas e indesejadas

Chegamos à etapa final, momento de analisar as CHAs descritas e verificar quais características você tem que são desejadas e quais devem ser aprimoradas. Aqui, o autoconhecimento é fundamental. Se você já tem o hábito de se questionar, ótima prática! Se não, com base nas CHAs consideradas bem-aceitas, tenha em mente algumas perguntas, como:

  • O quanto você domina seus sentimentos e emoções?

  • Como você se relaciona com outros processos e áreas da empresa?

  • Quais habilidades você poderia desenvolver? Por exemplo, capacidade de trabalho em equipe?

Lembrando que as CHAs funcionam em conjunto, ou seja, o importante é que haja equilíbrio entre todas as competências. Se você tem um conhecimento técnico básico, mas, em contrapartida, domina os softwares mais importantes e tem boa comunicação com a equipe, a média final do seu CHA pode ser positiva.

Contudo, é preciso lembrar que quanto mais pontos fortes você apresentar em todo o mapeamento, melhor. É isso que vai fazer você se diferenciar no mercado.

Vamos recapitular?

Conhecer quais Competências, Habilidades e Atitudes são valorizadas dentro do seu campo de atuação é fundamental para que você possa desenvolvê-las e, assim, aplicá-las de forma integrada para crescer na carreira. É para isso que serve o mapeamento de competências.

Você viu que a habilidade está relacionada ao “o quê” você sabe fazer. Já a competência determina “como” você põe em prática a habilidade, enquanto a atitude é a emoção que você coloca em tudo isso.

Por fim, manter-se continuamente atento, observando e questionando (inclusive a si mesmo) as atribuições e comportamentos importantes na sua função é o modo como você vai conseguir direcionar seus esforços para estar em constante aprimoramento. Sobre isso, vale uma dica: existem hoje excelentes cursos a distância para quem está sem tempo e com orçamento apertado. 

Agora que você sabe qual a importância do mapeamento de competências, não deixe de conferir o nosso artigo com tudo o que você precisa saber para crescer na empresa em que trabalha!

 

Facebook Comments