Um dilema que assombra muitos jovens que encerram o período da graduação, e que não sabem ao certo que escolha fazer, é: “Enfim, acabei a faculdade, e agora?”.

Essa é uma dúvida bastante comum, uma vez que não há uma cartilha universal indicando o passo a passo que deve ou não ser seguido ou que se encaixe igualmente aos anseios de cada recém-formado. Ao contrário, há uma grande variedade de opções e todas elas podem ser igualmente positivas para o seu futuro profissional.

Pensando nisso, reunimos as principais alternativas para que você possa avaliar os seus diferenciais e refletir sobre qual delas pode ser a melhor decisão para o seu futuro. Acompanhe!

Mercado de trabalho

Como você deve imaginar, a primeira e mais óbvia possibilidade ao terminar a graduação é entrar no mercado de trabalho. Afinal, durante todos os anos do curso, você estudou sobre a profissão e seus segmentos de atuação, foi apresentado às atividades que fazem parte de seu repertório, fez um ou mais estágios para ganho de experiência e até participou de eventos acadêmicos que tratavam justamente sobre a vivência no mercado.

Portanto, chegou a hora de participar efetivamente dele. Para isso, você deve pesquisar por processos seletivos para vagas que têm como requisito a sua formação, o que inclui cargos de trainee, assistente, analista e consultor. Feito isso, prepare um currículo de qualidade que ressalte suas competências para participar desses recrutamentos.

Lembrando que você não deve se deixar abater ou ficar desmotivado caso não seja selecionado de primeira. O mercado tem cada vez mais profissionais graduados, e isso eleva os critérios para aprovação. Um segundo ponto crítico é que muitas empresas podem dar prioridade para a convocação daqueles que já são pós-graduados.

Pós-graduação

Outra possibilidade é continuar com os estudos buscando aumentar o seu campo referencial teórico e prático dentro da profissão que escolheu. Para tanto, basta ingressar em uma pós-graduação centrada na atividade em que deseja atuar, se atualizar e conquistar novas soft skills.

Se o seu interesse é trabalhar no mercado em setores como o corporativo, o comercial e o industrial, por exemplo, escolha uma pós lato sensu (especialização ou MBA). Agora, se o seu intuito é focar na carreira acadêmica, não pense duas vezes e opte por uma pós stricto sensu (mestrado e doutorado), na qual você será iniciado no contexto da docência, da pesquisa e da produção de conhecimento.

É importante lembrar que esse tipo de formação não impossibilita a sua entrada no mercado de trabalho. Os cursos presenciais costumam contar com aulas no fim de semana e, frequentemente, com rodízio de dias (em um sábado sim e no outro não, por exemplo).

Além disso, há uma grande oferta de pós-graduação a distância, o que lhe permite cumprir seus compromissos profissionais ao mesmo tempo que organiza seu ritmo de estudos e acompanha os conteúdos lecionados do local desejado.

Nova graduação

Uma alternativa similar à anterior é iniciar um novo curso, a chamada segunda graduação. Esse caminho é indicado para quem descobriu afinidade com outras áreas de atuação por conta de disciplinas especiais que teve na primeira formação e para quem tem o desejo de trabalhar em múltiplas atividades profissionais.

Precisamos destacar que isso é algo cada vez mais valorizado dentro do mercado, pois mostra a sua capacidade de se reinventar na própria carreira, de buscar desenvolvimento pessoal e de seguir expandindo o conhecimento que já tem.

Uma boa notícia é que você não precisa necessariamente fazer um novo bacharelado e ter que esperar mais quatro anos para exercer um novo ofício. Há vários cursos tecnólogos com duração de dois anos e com foco em categorias de trabalho com alta demanda pelas empresas. Logo, em metade do tempo da graduação regular, você obtém um novo diploma e tem a possibilidade de vivenciar novas experiências laborais.

Concurso público

Além do que foi dito sobre o que fazer ao enfrentar o dilema de “acabei a faculdade, e agora?”, você também tem a chance de se preparar para um concurso público. Esse, inclusive, é o objetivo de muitas pessoas que entram no ensino superior, uma vez que o funcionalismo público assegura estabilidade, carga horária contida, média salarial elevada, bonificações diversificadas e até mesmo boa reputação social ao longo da carreira.

No entanto, a concorrência dessas provas não é pequena, chegando a centenas ou mesmo milhares de candidatos para uma única vaga, o que requer uma rotina imersiva de longas horas de estudo e muita revisão.

Vale comentar que muitos concursos são específicos para quem é graduado, enquanto outros demandam pós-graduação stricto e/ou lato sensu devido às especificações da vaga e às atividades que serão realizadas.

Portanto, você pode considerar dois caminhos: tentar um concurso logo após receber o seu diploma ou esperar mais um pouco e investir nessa jornada depois de fazer uma pós-graduação. Fica ao seu critério essa decisão.

Intercâmbio

Por último, você tem a alternativa de ingressar em um intercâmbio com fins de trabalho, aprendizado de uma nova língua, realização de pesquisas, iniciação científica e/ou continuidade acadêmica. Nesse último caso, dá para concorrer a vagas em cursos de pós-graduação lato sensu e stricto sensu de três maneiras.

A primeira é por entrada direta, quando você se candidata para participar do processo seletivo da instituição e realiza provas, entrevistas, análise de currículo e envio de documentação para matrícula. Contudo, nesse caso, você terá que arcar com todos os custos para estudar e viver na região, o que pode se tornar um empecilho para muitos jovens.

A segunda, por sua vez, trata-se da entrada patrocinada. Ou seja, quando você obtém uma bolsa parcial ou total que pode ser disponibilizada pelas faculdades, fundações privadas e iniciativas públicas do governo local.

Já a terceira envolve a entrada por seleção de mérito, quando o centro universitário estrangeiro abre chamadas para alunos internacionais que tenham se destacado por algum feito no país de origem, como envolvimento com causas sociais, participação em movimentos políticos, idealização de projetos científicos para melhoria da sociedade, criação de portfólio artístico, investimento em formação docente etc.

Como você conferiu, há muitos caminhos que podem ser seguidos quando você passa pela fase do “acabei a faculdade, e agora?”. Por isso, é importante refletir com calma e, principalmente, com tempo sobre o que eles têm a oferecer e quais apresentam contratempos que podem atrasar ou dificultar os seus objetivos. A partir daí, a sua escolha será muito mais segura e acertada.

Gostou de ler mais a respeito do assunto? Não perca tempo e compartilhe este conteúdo com seus amigos nas redes sociais!

Facebook Comments