Um dos principais desafios de quem está entrando no mercado profissional é como montar um currículo para garantir uma vaga de emprego. Por incrível que pareça, essa ainda é uma tarefa que tira o sono de algumas pessoas.

A questão é que não existe um guia exato para isso, mas seguindo algumas dicas é possível tornar o seu “cartão de visitas” mais atrativo para os recrutadores — especialmente com o intuito de aumentar suas chances de sucesso.

Quer saber quais são essas sugestões? Continue lendo o post!

A importância do currículo

Há quem não entenda muito bem a necessidade de criar um documento com a descrição do seu perfil profissional. A verdade é que essa é uma tradição no mercado para a seleção de candidatos a vagas de trabalho, ajudando os recrutadores a conhecer melhor os pretendentes.

Por outro lado, as pessoas que estão buscando uma posição também devem enxergar o currículo como uma ferramenta que pode facilitar a sua vida. Ou seja, não se trata apenas de uma burocracia da empresa contratante.

Não deixa de ser uma maneira de cada um criar o seu próprio posicionamento dentro da área que atua (ou que deseja atuar) para tentar atingir os seus alvos — no caso, as oportunidades e cargos que têm em mente.

Por isso, cada candidato deve aproveitar para estruturar a sua apresentação de forma clara, objetiva e atrativa. A ideia é descrever toda a sua formação e experiência, transparecendo profissionalismo e criando uma imagem positiva.

O resultado de ter um bom currículo em mãos é certamente aumentar as chances de ser chamado para um processo seletivo interessante e ficar cada vez mais próximo de conquistar a posição desejada. Portanto, todo cuidado é pouco nesse momento!

Dicas de como montar um currículo

Sabendo de como é importante ter um currículo de qualidade para chamar a atenção dos contratantes, o que resta é começar a se dedicar a essa missão para obter um bom produto final. Então, fique de olho nas recomendações a seguir.

1. Vá direito ao ponto

Essa é uma dica básica, mas muito negligenciada pelos candidatos. Durante um processo de seleção, principalmente em empresas renomadas, os recrutadores recebem dezenas de currículos.

Logo, dificilmente eles terão tempo para analisar aqueles que são repletos de rodeios e clichês, como: “busco crescimento” ou “quero melhorar a minha atuação profissional”.

A realidade é que as empresas procuram candidatos capazes de mostrar resultados e atingir objetivos específicos. Diante disso, ao organizar as informações do seu currículo, coloque-se no lugar do recrutador e não deixe de avaliar os aspectos mais condizentes com a vaga.

Priorize as experiências, cursos e formações realmente relevantes para aquele cargo desejado. Se você está se candidatando a uma vaga de engenharia, uma aula de interpretação teatral não deve ser tão útil, certo? No entanto, um curso em programação ou inglês pode ser um diferencial. Pense nisso!

2. Divida o conteúdo por tópicos

Você provavelmente já deve saber dessa regra, só que é bom ressaltar: todo currículo deve ser dividido em tópicos, a fim de facilitar a leitura e reunir todas as informações básicas sobre o candidato. Esses elementos podem ser apresentados da seguinte forma:

Dados pessoais

Neste tópico, a pessoa deve informar o seu nome completo, telefones para contato, e-mail e redes sociais, como o LinkedIn. É importante ter cuidado ao compartilhar perfis que não tenham conteúdo profissional — Facebook e Instagram, por exemplo — pois eles podem dar ao avaliador uma imagem errada de quem você é.

Objetivo

Muitos profissionais costumam errar feio ao destacar seu objetivo profissional. É aqui que começam os clichês mais comuns em currículos, como destacar características pessoais ou dizer o que espera encontrar com aquela vaga.

O recrutador só perguntará qual o seu objetivo e metas pessoais no momento da entrevista. Ao montar o currículo, esse tópico deve ser voltado a que cargo você almeja na empresa e as atividades que serão realizadas.

Para ter uma ideia, uma opção é: “atuar na produção de conteúdo e criação de estratégias na área de Marketing Digital”. Simples assim.

Formação acadêmica

Como o nome indica, é a parte voltada para a sua formação acadêmica. Não é preciso resumir todo o seu histórico escolar. Basta destacar as suas formações mais recentes — como ensino médio, graduação e pós-graduação — incluindo o local dos estudos, o ano de início e o de conclusão.

Experiência profissional

Aqui você deve resumir a sua carreira de forma sucinta, reservando três ou quatro linhas para cada empresa em que atuou — em regime efetivo ou de estágio. A organização deve vir com:

  • nome da empresa;

  • período de atuação;

  • cargo e principais atividades exercidas.

Se você ainda não tem experiência e está em busca da primeira oportunidade profissional, não deixe de destacar isso no currículo.

Uma dica é caprichar nos cursos e aptidões, pois assim você mostra ao recrutador que, mesmo sem ter trabalhado na área, já reúne habilidades e busca o aperfeiçoamento constante.

Cursos e qualificações

Cursos de informática, marketing e tecnologia, treinamentos na sua área de graduação, especializações e cursos de idiomas são muito bem-vindos e devem estar presentes neste tópico.

O mais importante é sempre usar o bom-senso e evitar qualificações que, mesmo sendo importantes para você, não serão relevantes para aquela determinada vaga.

3. Evite formatações que fujam à regra

Não há uma regra clara sobre como montar um currículo com a formatação ideal. Porém, obedecendo aos limites da objetividade, as empresas recomendam que ele não passe de duas páginas de tamanho A4.

Outra característica importante é que tenha fontes básicas — como Arial, Times New Roman ou Verdana — com tamanho 12 para o corpo do texto e em cor preta.

Quanto ao layout, é recomendável que ele seja limpo, sem cores ou imagens. Profissões como Design e Moda buscam profissionais mais criativos. No entanto, antes de criar um currículo muito irreverente, é necessário conhecer o perfil da empresa. Para não ter erro, siga uma formatação clássica e deixe a inovação para o seu portfólio.

4. Utilize uma linguagem adequada

Utilizar uma linguagem formal e na norma padrão é essencial, já que não é necessário empregar termos rebuscados para tentar impressionar (aliás, esqueça essa estratégia). Apenas siga as convenções gramaticais e evite expressões coloquiais, gírias, abreviações e termos de internet.

É importante fazer com o que seu currículo seja compreendido e que você passe uma imagem profissional — e isso não é possível sem uma linguagem adequada.

5. Evite incluir fotos e pretensão salarial

Uma das principais dúvidas dos candidatos é sobre a necessidade de adicionar (ou não) uma foto ao currículo. Há alguns anos, as empresas exigiam uma fotografia 3×4 anexada ao documento, mas hoje isso é extremamente desnecessário. Só inclua a imagem caso seja uma exigência do empregador no anúncio da vaga.

Outro erro comum é incluir a pretensão salarial logo ao se candidatar. Exigir um salário equivalente ao do seu emprego anterior — ou um valor fora da realidade do mercado — pode descartá-lo do processo seletivo imediatamente.

Caso a empresa não indique qual será a remuneração mensal do cargo, toque no assunto apenas no momento da entrevista ou quando solicitado.

6. Faça uma revisão minuciosa

Qualquer erro de ortografia ou letrinha fora de lugar pode impedir a sua contratação e ser encarado com péssimos olhos pelos recrutadores. Por essa razão, antes de enviar o currículo para uma vaga, revise-o duas, três ou quantas vezes for necessário.

Pode parecer um exagero, porém, são esses detalhes que vão distingui-lo de outros concorrentes. Muitas vezes, a sua qualidade como profissional vai ser comparada à sua capacidade de elaborar tal documento. Sabe aquela ideia de que “a primeira impressão é a que fica”? Evite complicações.

7. Não minta

O pior erro de qualquer pessoa ao criar um currículo é mentir. Muitos profissionais acreditam que aumentar o nível de fluência em um idioma ou inventar um tempo de atuação em uma empresa é aceitável, mas isso não é verdade.

Hoje, com a internet, é muito fácil para os recrutadores verificarem qualquer dado para descobrir a veracidade das informações apresentadas.

Mesmo que você não tenha um vasto histórico profissional e seja o seu sonho conquistar aquela vaga, é melhor mostrar quem você realmente é do que ter sua imagem profissional questionada no futuro.

Habilidades e qualificações podem ser adquiridas ao longo do tempo, mas o seu caráter não pode mudar — e as empresas sabem disso.

O que fazer para divulgar o seu perfil

Agora que você já está mais preparado para fazer o seu currículo, não perca as dicas finais para divulgar o seu perfil e melhorar as chances de ser encontrado.

O primeiro passo pode ser criar uma página no LinkedIn, considerando que o seu interesse é atrair possíveis empregadores e não os seus amigos. Isto é, preocupe-se em montar um perfil que valorize a sua imagem profissional, sem dar muito espaço para assuntos tão pessoais.

Outra opção é adicionar o seu currículo nos sites das empresas que você julga como relevantes para a sua carreira. Algumas delas têm um banco de candidatos mesmo quando não há uma vaga específica aberta.

Mais uma possibilidade é garantir sua inscrição em plataformas de recrutamento e sites generalizados de empregos, como Catho, Infojobs, Vagas e outros. Vale ficar atento às regras do cadastro para não ter nenhuma surpresa, até porque algumas dessas empresas cobram pelo serviço de divulgação.

Por fim, ative o seu networking e esteja sempre atento às oportunidades ao seu redor. Com um currículo pronto e de qualidade, com certeza você já está à frente de outros concorrentes!

Gostou de saber como montar um currículo? Ao fazer o seu, lembre-se de criar um resumo da sua vida que consiga despertar o interesse das pessoas e empresas em conhecê-lo melhor!

Siga as nossas páginas nas mídias sociais — Facebook e LinkedIn — para acompanhar outras dicas sobre o tema!

 

Facebook Comments