O domínio dos conhecimentos em gestão estratégica permite ao administrador olhar o presente da empresa visando direcionar seu futuro. Essa visão, que vai muito além do imediatismo, aumenta as chances de o empreendimento sobreviver, além de possibilitar que se alcance os objetivos de médio e longo prazo. No processo, que se apoia em três passos, é realizado o diagnóstico organizacional, são estabelecidas prioridades e implementadas ações.

Direcionamento é parte crucial do procedimento, tido como muito eficiente para levar o negócio a superar desafios, manter sua competitividade e ganhar posições no mercado. O protagonismo do líder é central, na escolha e adoção das estratégias em prol do sucesso do negócio.

Acompanhe a leitura, saiba mais sobre o tema e descubra ótimas razões para se tornar especialista nessa modalidade de gestão!

O que é a gestão estratégica?

De forma simplificada, a administração estratégica pode ser conceituada como uma gestão voltada ao futuro. Nesse processo, a empresa busca interagir, de maneira eficiente, com os diferentes fatores externos — ou não controláveis.

Seu fundamento consiste na criação de estratégias para manter e aumentar a competitividade do negócio. Tudo isso por meio de abordagens que privilegiam inovação e utilizam a criatividade como matéria-prima.

A finalidade das práticas envolvidas nessa gestão é assegurar a sobrevivência e o êxito da organização. Para tal, busca fazer amplo diagnóstico do empreendimento na atualidade, ao mesmo tempo em que concebe competências necessárias ao amanhã.

Em outras palavras, pode ser definida como a gestão da organização em seus múltiplos aspectos, focada na aplicação de estratégias em todas suas áreas.

Como ela é aplicada no dia a dia?

A gestão estratégica exige a realização de três principais passos, iniciando pelo diagnóstico estratégico. Durante essa etapa, é feito um levantamento do atual andamento da organização, de modo a analisar os planos que estão sendo executados.

Também, se são adequados e têm os resultados inicialmente previstos. Nesse sentido, são coletadas informações como o nível de competitividade do negócio, sua produção, grau de vulnerabilidade e qual é a quantidade de recursos estratégicos à disposição.

Na próxima fase é realizada uma verificação que visa reconhecer a prontidão estratégica. Isso significa sondar como a empresa se posiciona em relação ao futuro, quais ações estão previstas para resolver problemas ligados às metas traçadas e a forma que planeja se adaptar a mudanças, entre outros pontos.

O passo seguinte é a escolha das áreas prioritárias para implementação das estratégias. A seleção é estabelecida de acordo com a gravidade dos problemas percebidos em cada setor da empresa.

Daí por diante é estipulada uma ordem de execução das ações, visando colocar o empreendimento na direção pretendida. Essa fase é denominada direcionamento estratégico, pois nela fica estabelecido o direcionamento do negócio, seja ele não sucumbir face aos obstáculos, expandir ou até mesmo diversificar suas atividades.

Qual a importância do líder na gestão estratégica?

O sucesso da gestão estratégica se apoia fortemente na capacidade das lideranças. Assim, é essencial que o líder empregue sua proatividade em esforços que promovam as modificações indispensáveis.

Ele também deve agir na correção das atividades, quando o retorno estiver abaixo do necessário, articulando as ações de forma eficiente, com clareza e amplo engajamento dos diferentes setores.

Em relação à equipe, o gestor deve ser capaz de interagir positivamente, além de assumir o papel de criador e facilitador de um ambiente no qual as interações aconteçam de forma humanizada.

A utilização racional dos recursos da organização e a ação de evitar desperdícios de tempo são mais atribuições desse gestor. Esse conjunto de práticas visa destacar o empreendimento no mercado a partir do alcance dos objetivos contidos na estratégia.

Por que desenvolver competência em gestão estratégica?

Como trazido nos tópicos anteriores, empresa que adota a gestão estratégica precisa analisar seus processos, conhecer a fundo sua atual situação e fazer constantes correções nos direcionamentos.

Tais procedimentos demandam vastos conhecimentos por parte do administrador, que deve estar capacitado a atuar em prol do empreendimento. Desse modo, o profissional deve desenvolver competências estratégicas, qualificar-se para manter a sobrevivência, expansão e competitividade do negócio.

Veja abaixo 4 razões para investir na especialização em gestão estratégica!

1. Capacitar-se a promover competitividade empresarial

Desenvolver competências na área da gestão estratégica é uma forma de o administrador poder agregar uma visão moderna e inovadora à direção do negócio. Também de se habilitar ainda mais para lidar com as adversidades oriundas da competição acirrada.

Veja que, em um mercado fortemente concorrido, no qual as empresas se veem engajadas em constante luta para manter a competitividade, o papel do gestor é parte essencial dos esforços.

2. Adquirir habilidades diferenciadas para agir em cenários adversos

Na prática, o conhecimento em gestão estratégica se traduz em ferramenta eficaz para reverter quadros negativos, a partir de visão e planejamento. O aprendizado de modelos estratégicos contribui para achar soluções adequadas a diferentes dificuldades, inclusive aquelas que independem do controle do gestor.

Exemplo desse tipo de quadro é a diminuição nas vendas, em função de fatores como o desemprego ou a entrada de novos produtos no mercado. A habilidade diferenciada de lidar com os problemas administrativos, e diante deles tomar boas decisões, está entre os ganhos de buscar capacitação em gestão estratégica.

3. Atender a demanda por gestores altamente capacitados

As corporações buscam identificar, no mercado, profissionais bem qualificados, capazes de enfrentar os complexos desafios que o mercado impõe. O alto nível de especialização, qualidade fortemente valorizada no meio empresarial, é um diferencial de peso para as organizações.

Dessa maneira, fazer uma especialização em gestão estratégica coloca o profissional em destaque no ambiente corporativo da atualidade. Esse gestor fica apto para atender à demanda por líderes, considerada um dos grandes reveses enfrentados pelas organizações.

4. Potencializar habilidades de liderança

Investir na aprendizagem das técnicas estratégicas eleva a capacidade de liderar e contribui para o aprimoramento do estilo de gestão. Tal desenvolvimento tem grande impacto na carreira do administrador, acelerando sua ascensão profissional.

Vale ressaltar que uma liderança forte e efetiva é condição essencial ao modelo estratégico. O administrador deve, então, ser capaz de criar as condições para a equipe alcançar os objetivos definidos, acompanhar seu desempenho e transmitir a cultura organizacional aos colaboradores.

A gestão estratégica abrange planejamento, otimização e alcance de metas previamente estabelecidas. Esse processo não ocorre isolado no tempo; é contínuo e deve ser constantemente mensurado, sempre objetivando novas e melhores soluções, englobando todo o aprendizado construído na pós-graduação.

Dessa maneira, será possível alavancar a competitividade da empresa, administrar com máxima eficiência e conduzi-la em segurança ao futuro.

Gostou do post? Compartilhe-o nas suas redes sociais e leve o conceito de gestão estratégica aos seus amigos!

 

Facebook Comments