Use sua nota do ENEM e ganhe 50% de desconto na matrícula.Powered by Rock Convert

Você lembra o que motivou a escolha da sua área de trabalho? Possivelmente, foi a perspectiva de que ela atenderia às suas necessidades profissionais e pessoais. Mas, com o passar do tempo, as experiências mostraram uma necessidade de mudança.

Quando esse tipo de situação acontece, fazer uma segunda graduação oferece muito mais chances de realização do sonho profissional, desde que a decisão seja consciente e bem planejada.

Por isso, é bem importante avaliar os prós e contras antes de deixar para trás tudo o que já foi conquistado. Você deve ter bem claras as razões para investir nessa opção. Mas em que momento é realmente interessante encarar uma mudança de curso?

Quando vale a pena fazer uma segunda graduação

As razões que levam as pessoas a escolherem uma segunda faculdade são variadas. Muitas se decepcionam com a profissão que abraçaram e passam a sonhar com a realização pessoal. Mas há quem simplesmente decide fazer uma capacitação profissional a mais. Seja qual for a motivação, é preciso fazer uma análise cuidadosa.

Abaixo, entenda algumas situações em que uma nova faculdade pode ser uma escolha acertada:

Investimento na realização pessoal 

Há algumas décadas, trocar de carreira, por se sentir insatisfeito com o trabalho, era algo impensável. As pessoas dedicavam-se às suas profissões para sempre, com ou sem frustração. Alguns profissionais permaneciam na mesma empresa durante 20, 30 anos ou mais, até a aposentadoria.

Hoje, esse cenário está mudando drástica e rapidamente. Nem sempre existe uma insatisfação com a carreira: às vezes, mesmo dentro da sua área, a pessoa sente necessidade de inovar e respirar novos ares. Surge uma vontade de encontrar realização pessoal com o trabalho, algo que se conecte com as aspirações internas do indivíduo e permita a realização de um sonho. Em momentos assim, a segunda faculdade é a melhor escolha.

Interesse em outras áreas

A descoberta de interesse por outras áreas de conhecimento também pode motivar a troca de profissão. Para quem está insatisfeito ou desanimado com o que faz, a primeira coisa que vem à mente é a possibilidade de mudar tudo. Isso acontece principalmente quando o atual trabalho não vai bem.

Inclusive, com a atual crise econômica, há muitas pessoas que têm aproveitado para investir nos seus sonhos engavetados. Se essa for a sua situação, apostar naquela faculdade que muitas pessoas desencorajam, mas você acredita, pode ser uma chance de renovar os conhecimentos profissionais.

Necessidade de capacitação interdisciplinar

Nem sempre as pessoas procuram uma segunda graduação para deixar a antiga profissão, mas, sim, para complementá-la. Um conhecimento a mais pode expandir os horizontes e melhorar o desempenho.

Por exemplo: se você é contador e resolver estudar Direito, vai perceber que seu conhecimento se ampliará absurdamente. A nova graduação vai ajudar a solucionar muitas dúvidas que, antes, dependiam de outro profissional para dar suporte.

Além disso, uma graduação extra, relacionada à sua área de atuação ou não, sempre trará um complemento, um tempero à sua atual competência. Você verá como a sua criatividade aumentará, assim como a sua disposição para dar um novo impulso à carreira já consolidada.

Esses ingredientes poderão abrir portas para uma promoção no seu emprego, melhorando a renda e perspectivas dentro da mesma empresa e no mercado como um todo. Tudo isso trará reflexos positivos para sua vida pessoal e social.

Quando não é vantajoso fazer outra graduação

Tomar um trajeto diferente é bom, é uma chance de se reinventar e dar um novo fôlego para a vida como um todo. Porém, nem sempre é conveniente mudar de carreira. Entenda, a seguir, as situações em que uma segunda graduação não é a melhor opção:

Tentativa de impressionar recrutadores 

Aqui, toda atenção é necessária. Fazer uma nova faculdade para simplesmente “enfeitar” o seu currículo com mais um diploma pode ser um “tiro no pé”.

Reflita bastante sobre essa questão. Muitas vezes, os recrutadores enxergam as mudanças bruscas de profissão como sinônimo de falta de foco. Se a ideia é apenas impressionar, a escolha por outro curso de graduação é perda de tempo e de investimento.

Nesse caso, é mais interessante procurar uma especialidade na sua área e se lançar nessa escolha com convicção. E mesmo que você opte por outra profissão, o que importa é ter certeza das suas decisões para passar a impressão correta a quem estiver analisando sua trajetória profissional.

Falta de recursos para bancar uma segunda graduação

Começar tudo do zero requer energia, tempo, dinheiro e vigor mental. Esses recursos quase sempre existem nas primeiras experiências profissionais. Mas, depois de passar um tempo trabalhando na primeira profissão escolhida, tudo muda.

É fundamental analisar cada um dos fatores e colocá-los na balança. É bem difícil conseguir alinhar todos eles para criar a possibilidade de se dedicar a um novo curso com a intenção de que ele se torne uma prática no futuro.

Portanto, faça um planejamento com calma e mantenha os pés no chão para tentar evitar o arrependimento e a decepção. Sim, por maior que seja o desejo da mudança, há sempre o risco de você errar na decisão. É preciso estar preparado para qualquer tipo de resultado.

Dúvidas entre diferentes possibilidades de formação

Considerando a combinação de recursos necessários para essa nova empreitada, é importante que a razão para fazer a segunda graduação seja muito boa. Descarte todas as outras alternativas antes de optar pela mudança definitiva.

Muitas vezes, a melhor saída é uma pós-graduação, que exige menos tempo e pode ser mais útil às necessidades do seu trabalho. Se você já é graduado em Design, por exemplo, pode se especializar em Marketing, caso queira trabalhar nessa área. Não é necessário cursar uma faculdade de Publicidade e Propaganda.

O fantasma da crise econômica do país está levando as pessoas a simplificarem suas escolhas. Uma mudança radical significa investimento em longo prazo, envolvendo desde a preparação para a nova faculdade até a recolocação no mercado de trabalho.

Todos os aspectos da sua vida devem ser levados em conta. Há muitas variáveis para analisar antes de assumir uma nova profissão, como a capacitação que você já possui, as oportunidades disponíveis, o apoio das pessoas ao seu redor, a economia do país, entre outros fatores.

Mesmo assim, após feita a avaliação e testadas as alternativas, é possível que a dúvida persista. A saída é munir-se de muita informação sólida e coragem para assumir riscos na busca da atividade mais favorável ao seu estilo de vida.

O mais importante, nesta jornada pelo conhecimento, é continuar estudando e se aprimorando, independentemente da escolha entre uma segunda graduação ou a especialização dentro da sua área de atuação.

E então, as reflexões sobre as possíveis transformações na sua atividade profissional foram úteis? Entre em contato com a UCEFF e conheça todos os cursos oferecidos!

Facebook Comments