A escolha da profissão pode ser um momento cheio de dúvidas na vida de qualquer estudante. E se a decisão não é fácil, o jeito é ter calma e descobrir com quais áreas de estudo você tem mais afinidade. Depois, então, você pode pensar quais cursos combinam com o seu perfil.

Esse direcionamento deve ser baseado na seguinte pergunta: você se considera uma pessoa de humanas ou exatas?

Se você ainda não sabe como respondê-la, este post é para você! Continue a leitura e confira agora algumas dicas para acertar na escolha do seu curso superior e alcançar a realização profissional no futuro.

1. Preste atenção em si mesmo e em mais ninguém

Diante de tanta indecisão e incertezas, não é incomum que muitos jovens aceitem o conselho equivocado de pensar apenas no retorno financeiro, em vez de priorizar as opções que ele gostaria de estudar.

Esse erro pode resultar em uma geração frustrada, que não encontrou sua realização profissional ao perceber que o dinheiro é apenas uma consequência pequena se comparada ao tempo e à energia gastos todos os dias no trabalho.

Quando alguém gosta do que faz, essa pessoa sempre se sentirá motivada a buscar um nível de especialização maior e a realmente fazer diferença na área em que atua.

O reconhecimento vem naturalmente, pois os bons profissionais dificilmente serão desvalorizados pelo mercado de trabalho.

Por isso, em vez de procurar por sugestões ou exemplos na vida de outras pessoas, é importante que você descubra qual é a sua vocação para encontrar a opção que mais tem a ver com sua personalidade. Para isso, siga a dica seguinte!

2. Conheça a fundo sua personalidade e preferências

Essa pode ser a dica mais importante da nossa lista, já que, se seguida corretamente, você poderá encontrar as respostas que procura.

Separe um momento do seu dia para pensar sobre o seu passado. Quais matérias na escola você mais gostava? Qual foi sua menor nota em matemática? E em português? Como era sua postura como aluno e a relação com seus colegas?

Depois disso, tire mais alguns minutos para pensar sobre seu presente. Você faz amizades com facilidade? Você é mais criativo ou racional? Tem facilidade em fazer contas ou prefere ler grandes volumes? Consegue se definir com três adjetivos ou menos?

Você pode não perceber, mas todas as respostas para essas perguntas indicam tendências. Pessoas sociáveis e criativas gostam de ler e têm mais afinidade com as matérias como história, sociologia, filosofia ou português — e costumam ter um perfil compatível com a área de humanas.

Por outro lado, se você se considera mais racional, está sempre interessado em novidades tecnológicas e se dá bem com matérias que envolvem cálculos e o uso da lógica na resolução de problemas — como matemática e física —, você é um forte candidato para as ciências exatas.

3. Imagine o seu futuro

Para descobrir se você é da área de humanas ou exatas, é necessário projetar uma imagem hipotética de si mesmo naquela profissão desejada.

Para isso, faça uma lista de possíveis áreas de estudo e carreiras futuras. As mais conhecidas na área de exatas são: computação, engenharia, matemática e física.

Já na área de humanas, é possível estudar filosofia, letras, antropologia, direito, sociologia, psicologia, história, entre outros.

Nesse momento, você pode contar com a ajuda da internet para conhecer as profissões de seu interesse, postando perguntas em fóruns, conversando com profissionais formados, entrando em contato com universidades — ou simplesmente realizando pesquisas por conta própria.

Além disso, tente descobrir quais são as oportunidades de emprego disponíveis para recém-formados. Se você já tem um tipo de carreira em mente, leia sobre quais etapas você deve passar para alcançar seus objetivos e se a pretensão salarial para aquele cargo atende ao que você espera.

Resumidamente, imagine o trabalho que você vai exercer daqui 10 anos e procure saber um pouco mais sobre os detalhes desse ofício. Assim, você poderá descobrir se suas expectativas para o futuro realmente são boas o suficiente, ou não.

4. Confie nos seus instintos

Ouvir sua voz interior é muito importante na hora de fazer a escolha entre humanas ou exatas. E uma maneira bem simples de fazer isso consiste em uma técnica que toda criança de três anos de idade conhece muito bem — questionar tudo.

Ao cogitar uma opção para a sua carreira, faça as seguintes perguntas:

  • Eu me sinto bem por poder contar com essa possibilidade?

  • A ideia de seguir essa área é empolgante?

  • Sentirei empoderado ou impotente diante dessa opção?

  • Eu faria a mesma escolha se ganhasse na loteria amanhã?

  • Por que eu me daria bem nessa área?

A partir das respostas, você vai conseguir traçar melhor o seu perfil pessoal e profissional sozinho. Lembre-se: sua intenção é mais importante do que as tendências de mercado.

5. Procure ajuda especializada

Se tudo falhar, pode ser que valha a pena a consulta com um psicólogo para a realização de um teste vocacional.

Além de indicar as opções que mais combinam com o seu perfil, esse especialista pode dar algumas dicas para não errar na escolha da área de estudos. Além disso, um psicólogo pode ajudá-lo a controlar a ansiedade enfrentada nessa época de importantes decisões.

Caso não tenha a oportunidade — ou a condição financeira — de arcar com essa opção, não se preocupe. Você ainda pode encontrar muitos testes online capazes de dar pistas sobre os seus interesses e sobre o seu perfil profissional. Apenas tenha a certeza de acessar sites confiáveis e especializados no assunto.

Por fim, lembre-se de que a escolha entre humanas ou exatas é um processo, não um acontecimento. Você tem todo o potencial para alcançar uma carreira de sucesso! Tudo o que precisa fazer para reconhecer isso, é eliminar os medos e as incertezas que estão pelo caminho.

Gostou desse post? Se você ainda tem dúvidas ou simplesmente quer se manter mais informado sobre o assunto, leia o nosso artigo sobre o que fazer após o término do ensino médio e expanda os seus horizontes.

Facebook Comments