Os estudantes que estão terminando o Ensino Médio, mais cedo ou mais tarde, se deparam com um momento muito importante na vida profissional de uma pessoa: a escolha da profissão. Nessa hora, costuma vir a dúvida: qual curso escolher para fazer vestibular?

Atualmente, o leque de opções é bem mais amplo e vai muito além de áreas tradicionais, como Medicina e Direito. Para quem ainda está indeciso, uma boa aposta são as chamadas profissões do futuro, imaginando os próximos 10, 15 ou 20 anos.

Geralmente, são atividades que já existem e têm ótimas perspectivas no horizonte, bem como ocupações que surgem em função das mudanças no mundo e das novas demandas da sociedade.

Confira, agora, uma lista com 8 das principais profissões do futuro, aquelas nas quais você pode investir sem medo e colher os frutos muito em breve. Se ainda está em dúvidas de qual curso seguir, veja como se preparar!

1. GESTÃO DE RESÍDUOS

Você sempre se ligou em questões relacionadas ao meio ambiente e acredita que as pessoas precisam ser mais responsáveis com o impacto que suas ações causam no planeta? Pois saiba que existe a profissão do futuro perfeita para seu perfil!

Sustentabilidade é uma das palavras de ordem no mundo globalizado. O grande volume de lixo produzido, especialmente pela indústria, e a criação de leis como a Política Nacional de Resíduos Sólidos, de 2010, tornam cada vez mais evidente a necessidade de um profissional especializado na gestão de resíduos nas empresas.

Além disso, grandes corporações estão atrás de garantir seu certificado ISO 14001, que atesta a responsabilidade da companhia com as diretrizes internacionais de gestão ambiental e é requisito básico para que muitos negócios aconteçam.

Ou seja: o profissional da gestão de resíduos é valorizado pelo mercado porque permite viabilizar a prestação de serviços ou fazer com que produtos sejam mais bem-vistos e recebidos em comparação com a concorrência, o que gera impacto econômico.

Esse gestor tem a responsabilidade de fazer o planejamento e administração do manejo de resíduos sólidos nas seguintes etapas:

  • geração;

  • utilização;

  • reciclagem;

  • destinação adequada.

Outra função muito importante é que, além de reciclar, o profissional da gestão de resíduos deve pensar em formas de diminuir a produção e o impacto negativo que o lixo gera no meio ambiente.

Hoje, quem pretende atuar nesse ramo pode procurar formação em cursos de graduação como Engenharia Ambiental, Engenharia Química e Biologia, por exemplo. E a especialização pode ser realizada com uma pós-graduação em Gestão Ambiental.

2. ENGENHARIA CIVIL

No tempo dos nossos pais e avós, investir na área da Engenharia Civil era um retorno certo. Não só a atividade proporcionava boa remuneração, mas também prestígio. “Fulano é engenheiro civil? Com certeza está bem de vida!”.

Hoje, o conselho dos mais velhos pode ser seguido à risca: a tradicional profissão segue com alta empregabilidade, mesmo com a desaceleração do mercado da construção civil que vem sendo observada nos últimos anos.

As perspectivas são de contínuos investimentos em infraestrutura no Brasil, especialmente porque a mobilidade é uma das maiores preocupações da atualidade e vai convocar muita gente para a área de construção pesada para repensar as vias de transporte.

Por isso, os próximos 10 ou 15 anos deverão trazer boas oportunidades para os estudantes de Engenharia Civil, que poderão atuar em grandes projetos de criação e expansão de portos, aeroportos, estradas e linhas férreas. Essas são necessidades constantes para um país que quer crescer.

Para se aperfeiçoar ainda mais nesse mercado, há cursos de pós-graduação em Engenharia de Estradas, por exemplo, que direciona os engenheiros civis para a demanda que acabamos de pontuar. Pode apostar sem medo!

Ah, outro ponto positivo: com essa formação, você pode atuar também em países vizinhos, nas divisas, vivendo as experiências culturais e rompendo fronteiras. Não é legal?

3. ECONOMIA AGROINDUSTRIAL

A formação de profissionais para atuar no agronegócio não acompanhou o ritmo acelerado de crescimento do ramo. De acordo com levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o ramo agropecuário puxou o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil em 2017, com crescimento acumulado no ano de 14,5%, enquanto os setores de Indústria e Serviços recuaram no mesmo período (-0,9% e -0,2%, respectivamente).

O que isso significa? Que a agroindústria vem mostrando resultados sólidos que não vão decair tão cedo e precisam de mão de obra especializada, especialmente nas atividades ligadas à gestão e negócios.

A complexidade da cadeia produtiva da agropecuária faz com que a empregabilidade no setor seja alta. Profissionais da área de Economia Agroindustrial podem atuar diretamente junto aos produtores rurais, mas também às indústrias que fazem parte da cadeia.

Também, são interessantes as oportunidades em empresas parceiras dos produtores rurais do setor privado, como desenvolvedoras de tecnologia para o agronegócio. Dá para atuar até mesmo em institutos de pesquisa, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Para trabalhar no ramo da economia agroindustrial, formações em Economia, Engenharia Agronômica e até mesmo Administração são bem-vindas. Mas a especialização é necessária para que esses profissionais tenham um conhecimento abrangente.

Por exemplo: o engenheiro agrônomo por formação precisa reforçar seus conhecimentos em economia e gestão para atuar no mercado de maneira estratégica, assim como economistas formados necessitam de formação específica para entender as nuances que o agronegócio apresenta.

Hoje há cursos de especialização que preparam os profissionais para a administração rural e otimização de processos agroindustriais.

4. GERONTOLOGIA

Ok, pode admitir que, das profissões do futuro, essa é a que você menos ouviu falar. Mas não deixe o nome estranho intimidar: o caminho de quem fizer essa escolha profissional vai ser de sucesso.

Com o aumento da expectativa de vida e o consequente envelhecimento da população, é cada vez mais essencial oferecer aos idosos uma boa qualidade de vida. De acordo com estudo do IBGE, a expectativa de vida do brasileiro é de 75,8 anos, um aumento de nada menos que 30 anos no período entre 1940 e 2016.

Para isso, surge o gerontólogo, que é o profissional responsável pela gestão de serviços para a terceira idade nas áreas sociais, de saúde e psicologia. O curso de Gerontologia forma profissionais aptos a ajudar a planejar e administrar a velhice da população.

Baseada em uma visão ampla do processo de envelhecimento a partir de perspectivas biológicas, psicológicas e sociais, o gerontólogo pode atuar de diversas formas no mercado.

Sua atuação pode se dar diretamente junto às famílias, com uma intervenção mais próxima, ou junto às instituições, empresas e órgãos públicos, identificando as necessidades e demandas de pessoas idosas para agir como consultor.

Outra opção para atuar na área é optar por uma formação em Psicologia, por exemplo, e se especializar em Gerontologia e Saúde do Idoso a partir de uma pós-graduação. De uma forma ou de outra, acredite: essa é uma profissão com muito potencial.

5. GESTÃO DE BIG DATA

Você já parou para pensar em como as empresas tomam decisões e promovem ações em um universo cada vez mais digital? Os passos de uma companhia na era da internet dependem de uma ótima capacidade de compilar e analisar dados, ou serão dados tiros no escuro que geram desperdício de recursos.

Mas essas informações chegam aos montes, em um grande volume de dados (Big Data). Por isso, profissionais com capacidade de sistematizar e gerir esse material são e serão cada vez mais procurados por empresas de vários portes.

Se você sempre gostou de ser uma pessoa conectada e adora tecnologia, fique de olho nessa oportunidade de atuação. Veja alguns dos principais conhecimentos e atividades desse profissional:

  • administração de bancos de dados em grande volume;

  • identificação e análise do conteúdo das informações;

  • domínio de técnicas de armazenagem de dados;

  • direcionamento dos dados para diferentes setores de uma empresa.

Cursos de formação superior em Matemática, Estatística e Tecnologia são as áreas mais adequadas para quem pensa em fazer carreira como gestor de Big Data.

Mais tarde, é possível se aprimorar a partir de um curso de pós-graduação, como uma especialização em Ciência de Dados e Big Data.

6. DIREITO SOCIETÁRIO

Lembra que dissemos que cursar Engenharia Civil era uma recomendação dos tempos de antes dos nossos avós como garantia de sucesso? Pois bem, o mesmo acontece com o tradicional Direito, que se segmenta para atender melhor às necessidades do mercado.

É aí que o Direito Societário entra como área promissora. Com o crescimento do número de transações empresariais, como fusões e aquisições entre organizações, essa é uma boa oportunidade para advogados por formação.

Esse profissional, especialista nesses tipos de operação, pode atuar em empresas que prestam serviços de consultoria e advocacia no ramo, mas também na equipe interna de grandes corporações.

Afinal, empresas grandes não vão realizar nenhuma parceria societária sem o devido respaldo e segurança, não é mesmo? Se fazer Direito já estava nos seus planos, direcionar a carreira para o Direito Societário é uma excelente opção, e a remuneração pode ser mais interessante que a das outras ramificações.

É possível se especializar por meio de cursos de extensão inclusive na modalidade EAD. Outra maneira de garantir aptidão para a atuação é investir em uma pós em Direito Empresarial, que abrange as questões societárias.

7. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Essa é uma atividade que só tende a crescer com a presença cada vez maior da internet no nosso dia a dia — e com o aumento de dados armazenados ou transmitidos pela rede. Preste atenção: vamos falar agora de uma das mais promissoras profissões do futuro!

Nenhuma empresa ou órgão público quer correr o risco de ter suas informações invadidas, expostas e vazadas. Imagine só se dados sobre um projeto de uma companhia (um produto a ser lançado no mercado, por exemplo) forem parar nas mãos da concorrência por intermédio de hackers. Prejuízo na certa.

Há casos ainda mais extremos, como informações sigilosas de órgãos públicos, que, se divulgadas, podem até mesmo colocar a segurança de pessoas em risco (a identidade sigilosa de testemunhas em processos criminais pode representar perigo à própria vida delas, concorda?).

Portanto, a função desse profissional é garantir a segurança da informação, além da integridade, confidencialidade, disponibilidade e autenticidade dos sistemas.

É tarefa desses profissionais blindar o acesso aos dados, garantindo que as informações não fiquem vulneráveis, por exemplo, em trocas de e-mails. Ou seja: criar condições para preservação da segurança.

A grade curricular da formação na área inclui conhecimentos em Programação e Desenvolvimento de Sistemas, Gestão de Redes e Projetos e Gestão de Segurança em Tecnologia da Informação.

Veja algumas das áreas de atuação do profissional de Segurança da Informação:

  • análise de riscos e elaboração de políticas de segurança;

  • auditoria de software;

  • gestão de bancos de dados e sistemas de certificação e criptografia;

  • gerenciamento de projetos de segurança da informação;

  • consultoria;

  • administração de redes.

Pois é, pode parecer coisa de seriado de investigação policial ou de filme em que dados confidenciais são vendidos em uma trama de ação e tecnologia, mas é a vida do presente (e do futuro!) oferecendo uma ótima oportunidade de atuação profissional.

8. ENGENHARIA HOSPITALAR

Você já esteve em um hospital e ficou se perguntando, por exemplo, como a estrutura foi programada para evitar a contaminação entre pacientes? Ou mesmo maratonou Grey´s Anatomy e sabe o quanto qualquer minuto de um paciente de emergência é precioso e vital demais para ser desperdiçado na espera do elevador?

É aí que entra a Engenharia Hospitalar. Essa é uma engenharia focada na infraestrutura de hospitais. Os profissionais da área possuem conhecimentos técnicos para atuar no planejamento de complexos hospitalares e na utilização de equipamentos de alta tecnologia.

Para trabalhar nesse ramo, é necessário ser formado em Engenharia e ter uma especialização. É um campo bastante promissor, já que os grandes hospitais estão cada vez mais preocupados em oferecer a melhor estrutura — tanto para os pacientes quanto para os funcionários.

Ainda, é possível trabalhar como consultor na criação de clínicas especializadas, por exemplo, como do ramo da estética, que nunca deixa de angariar novos clientes.

Essas e outras profissões se apresentam como boas oportunidades para conseguir uma posição no mercado de trabalho e percorrer um caminho de sucesso.

Seja qual for a área com que você mais se identificar, é preciso sempre ter em mente a importância da formação acadêmica. A projeção ajuda você a decidir em quais cursos investir, e cada caminho escolhido pede uma atenção especial à formação superior e ao constante aprimoramento.

Antes de tomar uma decisão, é necessário se informar sobre a atividade desejada e as oportunidades de trabalho — além de desenvolver a capacidade de buscar soluções e inovar constantemente, qualidades valorizadas pelas melhores empresas.

E então, encontrou alguma profissão do futuro em sintonia com aquilo que você quer? Conseguiu ver uma oportunidade que tem tudo a ver com seu perfil? Esperamos que sim, e desejamos muito sucesso no trajeto!

Que tal compartilhar nosso artigo nas suas redes sociais e ajudar amigos e amigas que estão na fase de decisão também? Quem sabe eles se identificam com alguma dessas profissões do futuro?

Facebook Comments