Como a formação em EAD é vista pelo mercado de trabalho?

6 minutos para ler

Estudar em casa virou sinônimo de flexibilidade, por isso as matrículas em cursos na modalidade EAD têm crescido nos últimos tempos. A chegada da pandemia mudou ainda mais o olhar a respeito do online, levando mais pessoas a conhecerem suas vantagens. No entanto, você já se perguntou como é visto o EAD no mercado de trabalho?

Entender até que ponto a modalidade influencia na sua preparação e o nível de empregabilidade é importante. Por isso, antes de fazer qualquer escolha sobre graduação ou pós, leve isso em consideração.

O assunto é relevante, por isso conversamos com Ricardo Werlang, coordenador de Educação a Distância da UCEFF, que nos ajudou a entender melhor toda essa relação. Acompanhe a seguir!

Como funciona a formação EAD?

O estudo a distância funciona de forma prática. No geral, basta uma internet e um dispositivo, como notebook ou smartphone, para acompanhar as aulas. 

“Cada instituição tem suas particularidades, mas o EAD é caracterizado por possibilitar autonomia ao estudante. Ele tem o acesso a um ambiente virtual, que é uma plataforma EAD, onde estão conteúdos, trilhas de aprendizagem, atividades, salas virtuais. É lá que acontecem as aulas; o professor explica o conteúdo e tira as dúvidas. Muitos lugares também têm um fórum, no qual os colegas interagem e entram em contato com o tutor”, completa Ricardo.

Dentro dessa modalidade também encontramos o ensino híbrido, uma mistura de aulas presenciais e a distância, proporcionando ao estudante um misto de vantagens, com a possibilidade das atividades práticas, junto de mais flexibilidade.

O ensino EAD na UCEFF conta com as duas possibilidades: cursos 100% online e os de ensino híbrido. Neste último, o aluno precisa se dirigir a um polo até 3 vezes por semana, dependendo da disciplina. No restante dos dias, ele acompanha o curso da sua casa, podendo acessá-lo no momento mais propício.

Quais são as vantagens de investir no EAD?

Não precisar perder muito tempo com deslocamento é uma das principais vantagens para os alunos que optam pelo ensino a distância ou o híbrido, já que facilita a conciliação de compromissos pessoais. 

No entanto, Ricardo conta que as instituições ainda lidam com uma taxa de desistência por parte dos alunos de cursos a distância. “Isso acontece porque algumas pessoas ingressam nessa modalidade com o pensamento de que o curso será mais fácil que o presencial, então percebem que a realidade não é essa”. 

A verdade é que cursos dessa modalidade podem ser exigentes, mas isso não chega a ser algo ruim; pelo contrário, leva o estudante a se desenvolver profissionalmente, para chegar ao mercado muito bem preparado. Assim, engana-se quem pensa que o EAD é só moleza e não será preciso se dedicar.

Segundo a experiência do coordenador de Educação a Distância da UCEFF: “dependendo da instituição e da dedicação do estudante, um curso a distância pode propiciar uma formação superior a de um curso presencial. Isso é comprovado, inclusive, pelas notas do ENADE, em que alunos EAD performam melhor”.

Além da flexibilidade e da qualidade, podemos observar, como benefício, maior facilidade na aquisição de certas habilidades. “Alunos que se formam em um curso a distância desenvolvem várias soft skills, provando assim os ganhos do EAD para o mercado de trabalho. Aprender a aprender, organização, responsabilidade, interação com as tecnologias e facilidade no home office são bons exemplos das competências adquiridas”, explica Ricardo.

Qual é o perfil do aluno que opta pelo EAD?

Aulas presenciais e aulas online são bem diferentes. O presencial conta com mais contato visual com o professor e os colegas. A convivência costuma ser mais próxima e existe uma maior dependência da estrutura. O curso a distância, por sua vez, exige mais planejamento, e o aluno não pode ter uma postura de dependência. Por tais características, o perfil do aluno de cada modalidade é diferente.

“Em geral, vemos que o público do EAD é um pouco mais experiente. Muitas vezes, já foi para o mercado de trabalho e, agora, volta para fazer uma graduação ou pós-graduação. Esses alunos, muitas vezes, já estão casados, têm emprego e não buscam algumas das coisas que um aluno de ensino médio procura, a exemplo do contato social”, esclarece Ricardo.

O professor também afirma que, apesar de ainda notarmos essa diferença, já existem mudanças de traços nesse perfil. “Um exemplo é a média de idade de quem escolhe o ensino a distância: ela está diminuindo, principalmente quando olhamos para os cursos híbridos, que têm atraído muitos jovens”.

Ainda sobre esse perfil, Ricardo completa: “o estudante costuma ter mais responsabilidade com a própria aprendizagem, pois percebe que o curso depende muito dele. Tende a ser mais ativo e a se organizar melhor para ir atrás do que precisa e para dar conta de cumprir o cronograma. É necessária uma boa gestão do tempo. As pessoas que se formam em um bom curso EAD terão um diferencial competitivo no mercado de trabalho”.

Como tem sido a receptividade do EAD no mercado de trabalho?

Ao contrário do que muita gente pensa, o EAD não nasceu com a internet. No Brasil, ele se iniciou por volta de 1900, com cursos por correspondência. Depois, contou com evoluções, adotou os programas de TV, até que chegou à forma como o conhecemos hoje. No início, ele tinha um modelo mais mercadológico, o que contribuiu para que muitas pessoas formassem uma visão pessimista.

Hoje, no entanto, tudo isso está mudando, e o mercado de trabalho recebe o EAD com mais confiança. “Todos já estão entendendo que o mais relevante não é apenas o histórico escolar e as competências técnicas, mas também a identificação das competências comportamentais. O EAD consegue desenvolver isso, propiciando a vantagem de o aluno adquirir mais maturidade e melhores oportunidades”, completa o coordenador.

Enfim, a procura por cursos a distância tem crescido e, como nos trouxe o professor Ricardo, essa modalidade proporciona muitas vantagens, que se refletem na prática profissional. A melhora da relação entre O aumento do conceito do EAD no mercado de trabalho tem, inclusive, levado alguns recrutadores a dar preferência a pessoas que se formam nessa modalidade.

Gostou das informações que trouxemos? Caso precise de ajuda ou queira saber mais sobre nossos cursos, entre em contato!

Facebook Comments
Você também pode gostar

Deixe um comentário

Share This