Pode acreditar: um dia existiu a profissão de despertador, em que uma pessoa era paga pra acordar os outros. Se naquele tempo a tecnologia já tornava profissões do passado como essa obsoletas, imagina hoje! Agora, os modos de produção se atualizam numa velocidade extraordinária, e é preciso estudar e se aprimorar sempre pra não ficar pra trás.

Vamos então conhecer 8 profissões do passado que não existem mais? Prepare-se pra muitas curiosidades e surpresas!

1. Telefonista

Até os anos 1960, se você quisesse ligar para um amigo tinha que, primeiro, entrar em contato com uma central telefônica. Aí, um operador direcionava a sua chamada conectando um plug em um quadro de distribuição.

Se pararmos para pensar, não faz tanto tempo assim que a comunicação à distância acontecia dessa maneira, pois estamos falando de apenas 60 anos atrás. De lá para cá, olha como mudou a forma como nos relacionamos! Com o WhatsApp, por exemplo, conversamos com os amigos a qualquer hora, por meio de textos, áudios e vídeos.

Outra questão que vale a pena refletir é que as pessoas que trabalhavam como telefonistas nessa época eram, em geral, mulheres, por serem consideradas mão de obra mais barata. Infelizmente, isso ainda não mudou muito.

Até hoje, as mulheres ganham menos do que os homens, em uma estatística de 30% menos. Por isso vemos tantos movimentos femininos lutando por igualdade no mercado de trabalho.

2. Despertador humano

Essa profissão nasceu junto da Revolução Industrial, sendo necessária para que os operários não perdessem a hora de chegar às fábricas. E sabe quais eram as “ferramentas” de trabalho do despertador humano? Apitos, martelos para bater nas portas, pedaços de madeira pra alcançar as janelas mais altas e até pedras. Já pensou?

E não é difícil supor que, com a invenção tecnológica do despertador mecânico, essa profissão logo desapareceu.

3. Caçador de ratos

Você já deve ter estudado sobre a peste negra na Europa, doença causada por ratos e suas pulgas, que matou milhões de pessoas. Daí a importância dessa profissão no passado. Como naquela época não havia produtos químicos para que a dedetização que conhecemos hoje fosse feita, o jeito era contratar pessoas pra controlar a infestação desses roedores.

Os caçadores de ratos entravam em esgotos, bueiros, becos, sótãos e faziam isso usando armas, venenos, ratoeiras e até cachorros. Dizem que alguns caçadores capturavam os ratos para depois soltá-los novamente e, com isso, ganhar mais dinheiro.

Outro fato surpreendente sobre essa profissão é que, durante a Primeira Guerra Mundial, esses profissionais também comercializavam suas caças. Em outras palavras, eles vendiam ratos como alimento, já que a falta de comida era gritante na Grande Guerra.

4. Arrumador de pinos de boliche

Quem diria que até mesmo o jogo de boliche se veria beneficiado pela tecnologia? Nos anos 1940, ainda era possível ver crianças e adolescentes recolhendo e organizando os pinos que caíam com o boliche. Só a partir da década de 1950 que a ação deixou de ser manual, sendo substituída por um dispositivo mecânico.

5. Operador de mimeógrafo

É bem provável que, da geração millenial pra cá, poucos tenham ouvido falar nessa tecnologia que ajudava imensamente os professores na década de 1970.

O mimeógrafo é o avô da impressora. E graças a ele, os educadores da época conseguiam imprimir provas e apostilas sem grandes dificuldades. Quer dizer, fazer cópia não era algo tão simples assim, tanto que havia uma profissão específica para isso: o operador de mimeógrafo.

As cópias precisavam ser feitas a partir de um papel específico, e uma das funções do operador era preparar essas folhas, para daí então reproduzi-las em quantas cópias fossem necessárias. Era um trabalho bastante braçal, assim como as outras profissões antigas que vimos, já que a tecnologia ainda não oferecia a facilidade de apertar apenas um botão como temos hoje.

6. Acendedor de poste

Toda profissão surge a partir de uma necessidade. Nos tempos sem eletricidade, o acendedor de poste era um profissional muito útil.

Até o final do século XIX, os postes de rua funcionavam à base de lamparinas a gás ou com querosene, devendo ser acesas manualmente. Assim, todos os dias ao entardecer, o acendedor de poste precisava acendê-las e, depois, ao amanhecer, “desligá-las”.

Na América do Norte e na Europa, as pessoas ganhavam para fazer isso. Já aqui no Brasil, esse trabalho era realizado por escravos.

7. Cortador de gelo

E quando não existia geladeira, como as pessoas faziam? Bom, esse era um trabalho para os cortadores de gelo. Uma atividade, diga-se de passagem, bastante perigosa, pois esses profissionais tinham que ir até os lagos congelados e, com um serrote ou motosserra, remover os blocos de gelo. Era a maneira que a população tinha de refrigerar e preservar seus alimentos.

Os cortadores de gelo eram muito requisitados na América do Norte e Europa, locais de inverno rigoroso. A profissão se manteve popular até o final do século XIX.

8. Leitor

Quem nunca sintonizou uma rádio pra ficar ouvindo notícias e músicas enquanto trabalha? A função do leitor era mais ou menos essa. Essa profissão também surgiu com a Revolução Industrial, e o objetivo era distrair os operários enquanto eles trabalhavam.

Os donos de fábrica contratavam os leitores para lerem livros e jornais em voz alta. O curioso é que a profissão deixou de existir não por causa da invenção do rádio, mas porque os donos das fábricas ficaram com receio de que os conteúdos pudessem inspirar ideias comunistas.

O que podemos aprender com as profissões do passado

Um ponto comum entre todas essas profissões do passado é a criatividade. O ser humano é criativo por natureza, e é a necessidade que o ajuda a desenvolver essa qualidade. Aliás, a criatividade é também uma das habilidades fundamentais de um profissional do futuro.

Como o próprio termo sugere, o profissional do futuro é aquele que se mantém atento e aberto às mudanças, independentemente da formação que ele escolher. Afinal, é praticamente impossível pensar no mundo hoje sem as transformações constantes da tecnologia, as quais exigem cada vez mais pessoas multitarefas.

E então, qual dessas profissões do passado você achou mais curiosa? Compartilhe o post em suas redes sociais e mostre o conteúdo também para seus amigos!

Facebook Comments