Os filmes e a ficção, de modo geral, costumam apresentar a vida dos universitários como um paraíso: festas todos os dias, poucas aulas, muitos amigos e dinheiro de sobra. Mas a realidade é bem diferente. O controle de gastos é uma das maiores dificuldades de quem começa a faculdade. Além de pagar a mensalidade, o estudante também precisa arcar com materiais, comida, transporte e muitas outras coisas.

Para aprender a economizar na faculdade, vamos listar aqui algumas dicas práticas de como poupar dinheiro e ainda aproveitar ao máximo tudo que o curso superior tem a oferecer. Confira!

1. Priorize o transporte público

Uma das melhores formas de poupar dinheiro é economizando nos meios de transporte para ir à faculdade. Se você tem um carro, evite utilizá-lo. A gasolina hoje está com um preço muito alto e, dificilmente, o uso do veículo sairá mais em conta do que o transporte público. Táxi ou transportes privados não devem sequer ser cogitados, a não ser em casos de emergência.

Por outro lado, os transportes públicos, hoje em dia, também compõem um gasto considerável. Ônibus e metrô são excelentes opções, mas, se for possível, opte por meios que não possuam nenhum custo. Se você tem uma bicicleta e a faculdade não fica muito longe de casa, aproveite a oportunidade para praticar exercício físico e ainda economizar com transporte. Dependendo da distância, talvez dê até para ir caminhando.

Outra possibilidade é procurar por caronas. Isso é algo tão normal na faculdade que alguns estudantes fazem, inclusive, grupos de caronas para ajudar os colegas. Em alguns casos, talvez seja preciso dividir o valor da gasolina, mas, ainda assim, vale a pena.

2. Frequente a biblioteca

É comum ver muitos estudantes gastando pilhas de dinheiro para comprar diversos livros que, muito provavelmente, não serão de grande utilidade no futuro. Se você quer economizar na faculdade, não caia nessa armadilha! Por mais que alguns livros e materiais possam ser úteis no futuro, evite a tentação de comprá-los, pois, na maioria das vezes, eles estarão disponíveis nas bibliotecas da própria faculdade ou em qualquer outra da sua cidade.

Não seja um daqueles estudantes que se recusam a frequentar a biblioteca. Esse é um ambiente que existe para auxiliar o estudante. É possível poupar muito dinheiro usando os livros disponíveis ali, em vez de comprar tudo com seu dinheiro. Caso não encontre o que precisa na biblioteca, ainda existe a opção de pedir materiais emprestados a algum estudante dos períodos superiores ou, em última hipótese, comprar livros usados em sites como o Estante Virtual.

3. Evite gastos em restaurantes ou lanchonetes

Comer em restaurantes ou nas lanchonetes da faculdade pode parecer um gasto pequeno, mas, na verdade, acaba pesando nas contas do final do mês. Pense comigo: pagar R$ 5,00 em um lanche com um cafezinho é realmente pouca coisa. Mas, se você fizer isso cinco vezes por semana, quatro semanas por mês, são R$ 100,00 no final das contas apenas com lanches e café.

É preferível, portanto, almoçar em casa sempre que for possível e levar algum lanche ou fruta para a faculdade para matar a fome nos intervalos. É claro que, em algumas situações, é inviável ir para casa, almoçar, e voltar para a faculdade — quando o aluno tem aulas de manhã e de tarde, por exemplo. Nesses casos, opte pelo famoso “bandejão” da faculdade ou algum restaurante popular nos arredores. Procure sempre pela opção que seja mais em conta, para evitar gastos desnecessários com comida.

Mas atenção: nunca deixe de comer para poupar dinheiro! A ideia é escolher opções que sejam mais baratas ou que não tenham custo nenhum. Deixar de se alimentar não é uma opção! O estudante deve se manter saudável para conseguir estudar e se dar bem na faculdade.

4. Não abuse do lazer

Como já falamos no início deste post, a faculdade não é só farra e festa, como mostra a ficção. Mas é óbvio que a diversão também faz parte desse momento da vida. Estudantes de faculdades são constantemente chamados para sair, ir a festas, bares e boates, — além das famosas calouradas. É evidente que todas essas situações possuem custos que, em alguns casos, podem ser bem elevados.

Você deve se divertir, é claro! Esse é um momento único da vida. Porém, é preciso tomar cuidado para não extrapolar nos gastos. Tente optar pelos eventos mais baratos e evite o consumo em bares e boates, que costumam ter um custo maior do que o comum. Sempre que possível, reúna os colegas e amigos em lugares públicos para se divertirem, em vez de gastar com ambientes que cobram entrada e consumo. Por mais que a diversão também faça parte da vida acadêmica, é preciso tomar cuidado para não sair no prejuízo.

5. Estipule metas de gastos

Quando passamos a controlar nossas finanças, fica um pouco difícil saber como e quando gastar o dinheiro disponível. Depois de todas essas dicas, é bem provável que você se sinta perdido, na dúvida de como, exatamente, fazer esse controle financeiro.

Para ajudar, estipule uma meta de despesas mensais, baseando-se na quantidade disponível para gastar — deixando sempre uma margem de economia para emergências. Por exemplo: se você recebe R$ 800,00 por mês, estipule uma meta de gasto de R$600,00, deixando os outros R$200,00 para um fundo de economia e emergências.

Assim, você terá uma noção de como dividir os seus gastos, tanto para pagar a faculdade e o aluguel (se houver), quanto para todos os outros itens mencionados aqui: transporte, comida, materiais e lazer. Com a prática, você vai desenvolver a disciplina necessária para controlar suas finanças sem se exceder.

6. Aposte em um programa de financiamento

Obter um programa de financiamento do governo — ou bolsas de estudo — é uma excelente forma de economizar na faculdade. Atualmente, os programas de financiamento mais conhecidos são o ProUNI e o FIES. O ProUNI consiste em uma bolsa de 50% do valor da faculdade para alunos com renda familiar de até 3 salários-mínimos por membro da família, ou bolsa de 100% para renda familiar de até 1,5 salário-mínimo por pessoa.

Já o FIES, que sofrerá algumas alterações a partir de 2018, consiste em um empréstimo feito pelo governo ao estudante, que deverá ser pago — com ou sem juros, dependendo do caso — somente após a formatura. Os dois programas levam em conta a situação financeira do aluno, bem como as notas obtidas na faculdade e no ENEM. Portanto, estude bastante!

Existem, ainda, muitos outros programas de financiamento, alguns feitos pelas próprias faculdades e outros por instituições financeiras. Pesquise para escolher o melhor para você, pois opções não faltam!

7. Consiga uma bolsa na faculdade

Como um complemento ao tópico anterior, algumas faculdades possuem bolsas de estudo específicas. Por exemplo, alunos com boas notas e que são selecionados para fazer pesquisas de iniciação científica podem receber um desconto na mensalidade da faculdade como recompensa.

Outro exemplo de bolsa são as monitorias oferecidas pelos próprios universitários. Se você se destacar em uma matéria específica, poderá ser selecionado como monitor no semestre seguinte — o que também gera descontos na mensalidade. Por isso, fique por dentro de todas as opções oferecidas pela faculdade para ajudar os alunos financeiramente.

Ao seguir essas dicas e ter disciplina com seus próprios gastos, você vai perceber que não é tão difícil economizar na faculdade! Alguns sacrifícios podem ser necessários, mas valem a pena. O importante é conseguir se sustentar e aproveitar ao máximo esse período da vida! Para complementar essas dicas, aproveite e descubra 7 passos para fazer o salário render até o final do mês!

Facebook Comments